Estudantes adolescentes estão ingerindo refrigerante com álcool

Não existe sociedade que não tenha recorrido ao seu uso, em todos os tempos, com finalidades as mais diversas. A partir dos anos 60, o consumo de drogas transformou-se em uma preocupação mundial, particularmente nos países industrializados, em função de sua alta freqüência e dos riscos que pode acarretar à saúde.

A adolescência é uma etapa do desenvolvimento que grandes preocupações suscita quanto ao consumo de drogas, pois os adolescentes constituem uma época de exposição e vulnerabilidade a elas.

Na América Latina, estudos que investigaram o uso de drogas por adolescentes por meio de questionários anônimos auto-aplicados, indicam que o álcool é a substância mais consumida, sendo as taxas mais elevadas no sexo masculino.

– No Brasil, inquéritos epidemiológicos têm sido realizados com objetivo de estudar as prevalências de uso de drogas. Além do álcool e do fumo, os indicadores disponíveis apontam para uma prevalência de uso de dois grupos de drogas dos quais pouco se fala nos países industrializados: os solventes e os medicamentos.

Em nosso país, estudos anteriores a 1986 são de difícil comparação entre si, por empregarem metodologias bastante diferentes, amostragens mal definidas e técnicas de análise estatística às vezes duvidosas.

A partir de 1986, teve início uma segunda geração de investigações, pois o uso de um questionário elaborado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e adaptado para o Brasil possibilitou padronizar os estudos e comparar os resultados obtidos. Estudos realizados entre escolares de primeiro e segundo graus e entre estudantes universitários, mostram consistentemente, nas diversas regiões do País, que o álcool é a droga mais utilizada, seguido pelo tabaco. Os solventes se mantêm como os mais comuns no terceiro mundo, após álcool e tabaco, enquanto que nos países desenvolvidos a maconha ocupa o terceiro lugar.

Em Ribeirão Preto, SP, um estudo transversal em 1.025 escolares da rede pública e privada, utilizando questionário anônimo auto-aplicado, mostrou que o uso na vida de drogas ilícitas é maior na burguesia, enquanto que o de álcool é maior no proletariado. Mostrou ainda que todas as taxas de uso crescem com a idade, sendo o consumo maior no sexo masculino, exceto para os medicamentos.

– O presente estudo teve por objetivo estimar as prevalências de uso de drogas em uma amostra representativa dos adolescentes que freqüentavam todas as escolas públicas e particulares que tinham segundo grau na zona urbana de uma cidade de porte médio (Pelotas, RS).

Também foi investigada a distribuição do uso de drogas em relação a fatores sociodemográficos, bem como sua relação com o desempenho escolar.

Em Uberaba, o uso de álcool nas escolas já começa a dar sinais. Os estudantes adolescentes costumam misturar álcool no refrigerante durante o recreio. É necessário que a direção das escolas comecem a investigar estes atos rapidamente, porque amanhã poderá ser tarde.
Fonte:Jornal de Uberaba/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)