Saúde mental

O Ministério da Saúde está reforçando o atendimento em saúde mental e enfrentamento ao consumo de álcool e outras drogas com o cadastramento de 35 novos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os recursos federais de R$ 11 milhões por ano serão alocados em unidades do Caps em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Alagoas, Bahia, Sergipe, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Rondônia e Roraima. Com a inclusão, sobe para 1.502 os Caps em funcionamento no país.

Em Porto Alegre, será criado um Centro de Atenção – Álcool e Outras Drogas (CA-AD), resultado da parceria entre o MS, a prefeitura local e o Grupo Hospitalar Conceição, de gestão federal. A ideia é que este complexo esteja voltado para usuários de álcool e drogas, incluindo o crack (Caps AD de porte 3), e faça atendimento infanto-juvenil (Caps i), além do projeto de Consultórios de Rua, um centro de ensino e pesquisa e ações de supervisão à rede básica de saúde (como as equipes de Saúde da Família, por exemplo).

Estudo do Cremesp
O Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) realizou um estudo em que aponta falhas importantes no funcionamento dos Caps, divulgado no dia 23 de março. Falta de retaguarda para emergências e internação psiquiátrica, ausência de atendimento médico clínico, profissionais em número insuficiente, erros em prontuários e ausência de registro no Cremesp foram algumas deficiências detectadas em 85 Caps analisados. O Cremesp encaminhou os relatórios de fiscalização inicialmente para os próprios Caps e está enviando os resultados, conclusões e recomendações do estudo ao Ministério Público, secretarias de saúde, Ministério da Saúde, programas governamentais de saúde mental, além de parlamentares e outras autoridades.
Fonte:Cremesp/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)