Consumo de cerveja é dos maiores

Em comparação com Belo Horizonte – que tem uma média de um bar para cada 166 habitantes -, Passos contabiliza um bar/restaurante para cada 161 habitantes e um consumo mensal da ordem de 800 mil garrafas de 600 ml por mês.

De acordo com o Departamento de Fiscalização e Rendas da Prefeitura de Passos, o município tem cadastrados 643 estabelecimentos que comercializam bebida alcoólica. Ainda existe um número não contabilizado de bares clandestinos, abertos em garagens de residências nos bairros, e que não contam com alvará de funcionamento.

Em Passos, o gosto por bares por parte dos moradores fez com que a Fesp (Fundação de Ensino Superior de Passos) lançasse, há dois anos, o Festival Sabor de Passos. Em 2009 participaram 17 bares com seus pratos típicos regados, claro, com muita cerveja e chope.

Do álcool ao crack, uma curiosidade que levou à destruição

A curiosidade típica dos adolescentes era uma das características do jovem de 32 anos que falou com a reportagem da Folha e preferiu não se identificar. A escalada para chegar até o crack, começou com o álcool. Aos 16 anos, ele começou a beber em festas e baladas com os amigos. Entre os 17 e 18 anos, a maconha começou a fazer parte de sua vida.

Com 19, experimentou a cocaína. “Usei o pó e gostei. Eu podia beber e não ficar bêbado. Além do efeito da cocaína ser mais forte e me deixar elétrico”, contou. Com 21 ao sair com um colega, chegou a recusar o crack, mas numa segunda oportunidade decidiu experimentar. “Usei em dia e no dia seguinte, já estava procurando a droga de novo”, disse.

Com uma família estruturada e unida, o dependente afirma que a curiosidade e vontade de se divertir foi o motivo para procurar as drogas. “Quis me divertir e experimentar coisas novas. Esse foi meu erro”.
Fonte:Folha da Manhã/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)