Para palestrante, prevenção às drogas deve começar dentro de casa

A convite do delegado da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise), Antonio Alício Simões Júnior, Preto Zezé está percorrendo diferentes instituições para conscientizar jovens e adultos sobre a importância de se prevenir contra o vício.

Para Zezé, a prevenção deve começar dentro de casa. “Não se resolve o problema da violência e drogas apenas com polícia ou internação em clínica. Tentamos passar um olhar sobre vida deste usuário antes da droga. Há uma história, a família, o trabalho, o grupo de amigos, a importância social deste indivíduo, já que ele desagrega de tudo devido ao uso do crack”, afirmou, em entrevista concedida à Radio Jornal.

Segundo Preto Zezé, é comum que, desesperada com efeitos devastadores do consumo de entorpecentes, a própria família entregue o parente para a polícia ou clínicas de desintoxicação. Entretanto, ressaltou, por falta de inserção social, o jovem com frequência volta a usar drogas. “Quando ele sai da clínica, tem o problema de recaída, porque não há corrente social para ele participar”, explicou, citando que, pelo poder de viciar e baixo custo, o crack está hoje entre as drogas mais consumidas pelos jovens.

Fundada em 2005, a Cufa tem como missão formar e informar as pessoas na periferia, especialmente a juventude, oferecendo novas perspectivas de inclusão social por meio de atividades na educação, esporte, cultura, cidadania e meio ambiente, contribuindo para o seu desenvolvimento humano.

“O que Preto Zezé me mostrou é que era um cara da favela que sabe o outro lado da história. Queremos mostrar à sociedade barretense que devemos ser um corpo só. Se queremos ser uma cidade melhor, temos que nos agregar ao menos favorecidos, aos melhores favorecidos e a todas as instituições, porque o crime é organizado e a sociedade está completamente desorganizada para combatê-lo”, disse Antônio Alício.
Fonte:Jornal de Barretos/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)