Todos contra o uso de drogas

Diante do crescimento preocupante do consumo de drogas ilícitas e álcool pela população, principalmente entre adolescentes e jovens, o Conselho Estadual de Entorpecentes (Conen) está cobrando da Prefeitura de Salvador ações relativas ao atendimento de usuários de substâncias psicoativas na capital. O órgão está vinculado à Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos e é responsável por discutir e fiscalizar ações desta área no Estado.

Segundo o assessor para Álcool e outras Drogas da Secretaria Municipal da Saúde de Salvador e coordenador do Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas, da Universidade Federal da Bahia (Cetad/Ufba), Antônio Nery,o município está implementando um conjunto de ações integradas de atenção aos usuários de substâncias psicoativas, composta por eixos relacionados à capacitação, ampliação da rede de assistência e mobilização social.

Segundo a coordenadora do Conen, Cida Tripodi, compete ao conselho fazer o mapeamento de toda a política relacionada às drogas no Estado da Bahia e dar parecer para que comunidades terapêuticas possam receber recursos do governo federal.

A idéia também é que a secretaria ajude a articular e a capacitar toda a rede de atendimento e assistência aos usuários.

Quatro das sete propostas apresentadas para os conselheiros, em reunião do último dia 12, idealizadas pelo especialista Antônio Nery, uma referência na área terapêutica ao tratamento de usuários de drogas, estão sendo operacionalizadas.De acordo com Nery, “já existem recursos disponíveis e aparato necessário para dar prosseguimento ao Consultório de Rua, ações de promoção, prevenção e redução de riscos e danos à saúde de jovens em situação de risco e vulnerabilidade social; à Saúde (de cara) na Rua, que são ações educativas e preventivas ao abuso dessas substâncias; ao Conversando sobre Álcool e outras Drogas, programa informativo em grande veículo de comunicação de massa; e à Ampliação da Rede”.

Segundo ele, serão criados seis Caps ad II (serviço de atenção psicossocial para atendimento de pacientes com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas, em municípios com população entre70 e 200 mil habitantes) e quatro Caps ad III (para municípios com população acimade 200 milhabitantes) em pontos estratégicos da cidade, “sendo que dois já estão sendo montados, em Pernambués e São Caetano”, informa Nery.

De acordo com ele, a idéia é que os Caps ad III tratem os usuários e depois eles sejam transferidas para a Casa do Meio do Caminho, “com cursos de capacitação e profissionalização que possibilitem a construção de um futuro para essas pessoas, pelo tempo que for necessário”.

Capacitação Mais três projetos foram ainda elencados, envolvendo a capacitação de agentes comunitários de saúde frente à problemática das drogas, a instrumentalização dos profissionais das comunidades terapêuticas com informações sobre prevenção, redução de danos e tratamento da dependência de álcool e outras drogas, e sensibilização da população para o problema.

Em Salvador, haverá intervenção informativa em postos de gasolina, para evitar que usuários dirijam alcoolizados.

“Já existem recursos disponíveis e aparato necessário para tocar projetos”.
Autor: Da redação
OBID Fonte: A Tarde