OMS anuncia estratégia global para combater o consumo de álcool

Ministros da Saúde de todo o mundo anunciaram nesta quinta-feira (20) um acordo para tentar conter o consumo excessivo de álcool que inclui medidas como aumento de impostos e regras mais rígidas para a comercialização de bebidas alcoólicas, especialmente para os jovens.

A estratégia global foi aprovada na assembleia anual da OMS (Organização Mundial da Saúde) em Genebra, na Suíça, e as recomendações, elaboradas após dois anos de debate, não são obrigatórias, mas servem como orientação para as 193 nações que fazem parte da organização.

Bernt Bull, consultor do Ministério da Saúde da Noruega, disse que um imposto especial e regras que limitam o comércio tem ajudado o país a reduzir a incidência de violências causadas pelo alcoolismo.

Os países nórdicos lideraram a iniciativa na agência ligada à ONU (Organização das Nações Unidas).

A OMS estima que os riscos associados ao consumo de álcool causam 2,5 milhões de mortes por ano por doenças cardíacas, hepáticas, acidentes de trânsito, suicídios e vários tipos de câncer, representando 3,8% de todas as mortes em todo o mundo.

Um estudo recente na África do Sul verificou que 29% dos alunos do ensino médio tinham se envolvido numa bebedeira no mês anterior, crescimento de 6% em relação a uma pesquisa realizada há seis anos, segundo Melvyn Freeman, do departamento de saúde da África do Sul.

A análise da OMS informa que o álcool atualmente é mais acessível que no passado – seja por apresentar preços menores ou pelo aumento de renda das pessoas – nos países de baixa ou alta renda. A partir disso, o texto estabelece que é necessário utilizar os preços das bebidas para conter o consumo. Propõe, entre outras medidas, a “aplicação de um sistema nacional de impostos específicos para o álcool, acompanhado de um sistema de repressão eficaz”.

Segundo o relatório, há fortes evidências de que um limite inferior na concentração de álcool no sangue (0,02% a 0,05%) é eficaz na redução dos acidentes por dirigir embriagado.

– Exemplos mostram que fixar um preço mínimo para as bebidas reduz o consumo de álcool e seus malefícios.

Em 2003 a OMS adotou um novo tratado global para o controle do tabaco e atualmente também desenvolve relatórios focados no combate à obesidade.
Autor: Do R7
OBID Fonte: agências internacionais