Grávidas e Jovens serão alvo de estudos

Órgão de excelência, o Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas (CPAD) vai produzir oito pesquisas voltadas a usuários de crack no segundo semestre deste ano – duas delas pretendem apurar os danos cerebrais causados pela pedra. Um dos estudos, destinado a gestantes, visa a reduzir os prejuízos causados ao bebê. A pesquisa, que se realizará em Porto Alegre, será voltada às mulheres que buscam a rede de saúde pública.

Além da pesquisa com grávidas, o centro irá realizar outras investigações, cobrindo diferentes faixas etárias de risco: uma com adultos jovens e outra com adolescentes. Com o objetivo de avaliar profundamente o uso de crack e a intensidade da dependência daqueles adultos que buscam tratamento, cientistas vão aferir o perfil genético e neuroquímico e os distúrbios familiares e psiquiátricos causados ao usuários da pedra em cinco Estados do país.

– Com a neuroquímica vamos ver os danos cerebrais causados nos usuários e a parte genética vai nos auxiliar nos futuros desenvolvimentos farmacológicos no combate à fissura do crack – diz o psiquiatra Félix Kessler, pesquisador e vice-diretor do centro.

O estudo dedicado aos adolescentes será idêntico ao destinado ao público adulto, mas terá abrangência menor: será feito apenas em Porto Alegre. As pesquisas dão continuidade a trabalhos realizados pelo centro. O último deles, recentemente concluído, compara consumidores de crack com os usuários de outras drogas em quatro capitais. A equipe do centro constatou alto índice de sintomas psiquiátricos associados ao crack.

– Usuários de crack e cocaína têm mais depressão e ainda risco de suicídio, e os dependentes de crack têm mais problemas de conduta – alerta Kessler.
Autor: Da redação
OBID Fonte: Zero Hora