Fumando pelo escapamento

Substâncias tóxicas do cigarro são semelhantes às eliminadas pelo carro.

O cigarro tem 4,7 mil substâncias tóxicas, entre elas o monóxido de carbono, gás venenoso, sem cor e inodoro; aquele mesmo emitido pelos veículos. A exposição a esse gás pode ocorrer de várias maneiras, entre elas em locais fechados com tabagistas, no trânsito e em incêndios. De acordo com estudos, a concentração dessa substância na fumaça do escapamento é de 30 a 80 mil partes por milhão (ppm); na fumaça do cigarro, pode chegar a 20 a 60 mil ppm. O monóxido de carbono presente no cigarro se mistura à hemoglobina, diminuindo a capacidade do sangue em transpor oxigênio para os tecidos do organismo.

Mais do que o mal-estar e os problemas à saúde de “fumar pelo escapamento”, nesta segunda-feira, Dia Mundial Sem Tabaco, fumantes e fumantes passivos são, por meio de notícias como esta, lembrados dos malefícios do fumo. Nada impactante a ponto de convencer uma parcela significativa de fumantes a deixar o vício, visto que as doenças provocadas pelo cigarro acontecem a longo prazo, contrário ao prazer imediato proporcionado por ele. Ao volante, a dobradinha perigo-prazer, também traz prejuízos. Vejamos alguns deles:

Fumar dentro do carro não é proibido por Lei, entretanto, dirigir apenas com uma mão infringi o artigo 252 do Código Brasileiro de Trânsito, segundo o qual o motorista deve manter as duas mãos ao volante, tirando uma delas apenas para mudar de marcha ou acionar outros equipamentos do veículo.

Ser flagrado por um agente de trânsito no momento em que leva o cigarro à boca ou em que coloca a mão para fora do veículo pode render uma multa de R$ 85,13. Menos comum, mas também prevista em Lei, é a multa ao motorista que usa as ruas e avenidas como cinzeiro para suas bitucas. Não recicláveis, elas são consideradas um sério problema ao meio ambiente.

O risco de incêndio é outro problema que motoristas fumantes podem provocar, dentro ou fora do carro. Em julho de 2009, uma explosão, provocada por uma bituca de cigarro, destruiu um posto de gasolina na Lapa, Rio de Janeiro. Embora a Lei Distrital nº 1.162/1996 determine a proibição de fumar em qualquer imóvel de natureza vulnerável a incêndios, especialmente nos postos distribuidores de combustíveis, a falta de fiscalização incentiva o infrator, que poderia receber multa de até R$ 1.260,00.

Se ajudar em sua luta em parar de fumar, tente imaginar-se fumando o escapamento do carro sempre que levar o cigarro à boca. Não há paixão por veículos que resista a essa cena.
Fonte:WebMotors/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)