Presa à Pedra

Viciada em crack se acorrenta.

Para fugir da dependência ao crack, uma operária de Rio Grande ficou acorrentada a uma cama por quatro dias. Aos 35 anos, Cristiane Gonçalves busca ajuda para retomar a vida.

Trabalhadora em uma fábrica de pescados, ela consome a droga há três anos. A casa onde vive ficou praticamente vazia. Sobraram um fogão, um roupeiro improvisado e a cama onde ela se acorrentou.

Até os tijolos das paredes ela admite ter vendido para comprar crack.

Dois filhos dela, de 14 e 15 anos, também são usuários. Os outros três, com idades entre quatro e 10 anos, estão com a mãe da operária. Na tarde de ontem, uma equipe da Secretaria Municipal da Saúde esteve na casa de Cristiane para prestar atendimento. Ela e os dois adolescentes, uma garota e um garoto, foram internados em um hospital psiquiátrico.
Autor:Julieta Amaral – RBS TV Rio Grande
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas