Bando finge pesquisa para mandar cocaína à Europa

Polícia Federal prendeu seis traficantes que tentavam embarcar 62 quilos da droga em Rio Grande.

Responsável por prender seis traficantes estrangeiros com 62 quilos de cocaína pura em Rio Grande, no sul do Estado, uma operação da Polícia Federal exigiu um trabalho persistente e silencioso de inteligência. Para evitar que a droga fosse enviada de navio até a Europa, agentes do Estado e de Santa Catarina monitoraram por quatro meses a quadrilha internacional. Os suspeitos chegaram a se disfarçar de pesquisadores para tentar embarcar a carga.

A ação policial, com ao menos 25 agentes, ainda não acabou.

– Estamos há três dias sem dormir e vai além. Tem mais gente para cair – alertou anteontem um deles.

Ele participou da operação deflagrada às 6h30min de sábado, que resultou na prisão de quatro traficantes em duas pousadas da praia do Cassino e de outros dois em Porto Alegre. Policiais se hospedaram nas mesmas pousadas dos suspeitos. Escutas completaram a apuração iniciada em Florianópolis.

É no Estado vizinho onde mora o homem apontado como responsável operacional da quadrilha: Miodrag Vojicic, 45 anos. Macedônio naturalizado brasileiro, ele definia rotas, alugava casa e barcos e comprava passagens. Arquitetava a rota da droga trazida da Colômbia, da Bolívia e do Peru.

Radicado há mais de 20 anos no Brasil, Miodrag mora em Imbituba, cidade portuária de Santa Catarina. Casado, com filhos, tem um restaurante e um táxi. Tentou embarcar a carga de cocaína em outros portos brasileiros, como o de Santos. Após falhas, escolheu Rio Grande. Com outros comparsas, chegou ao sul do Estado em maio.

Primeiro, o grupo se dividiu entre Rio Grande e Pelotas. Passada uma semana, migrou para o Cassino. Ficou em duas pousadas. Rodando em três carros, um Land Crusier Prado, um Fusion e um Focus, o bando se passou por pesquisadores. Assim, deixaram uma lancha na marina do Yatch Club local. Com ela, percorreram o canal do porto, monitorados por um barco e por quatro viaturas discretas da PF.

A cocaína foi levada de carro por outros quatro homens até Rio Grande. Outra remessa era esperada, mas não se confirmou. Uma embarcação mercante fundeada na entrada do canal do porto levaria a droga. O navio chegaria nos próximos dias.

Preso é investigado por homicídio na Europa

Com a iminência do embarque, o delegado João Manoel Vieira Filho pediu na sexta-feira seis mandatos de prisão. No mesmo dia, os croatas Damir Simic, 28 anos, e Slobodan Njegic, 45 anos, apontados como os líderes do grupo, foram até Porto Alegre. Hospedaram-se no hotel Plaza São Rafael. A PF mobilizou equipe na Capital. Quando a operação estourou, no sábado, eles ainda dormiam.

– Antes que pudessem reagir, estavam algemados – destaca Vieira.

Além de Simic e Njegic, que podem estar usando nomes falsos, a PF prendeu Vojicic, o croata Aleh Ciceric, 30 anos, o montenegrino Niksa Ilic, 46 anos, e o búlgaro Dragan Rangelov, 33 anos. Os presos foram levados para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Responderão por tráfico internacional de drogas e formação de quadrilha. A PF ainda apura com a Interpol o envolvimento de um deles em um assassinato na Europa.
Guilherme Mazui| Rio Grande/Correspondente Zero Hora
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas