Estudo associa fumo passivo a doença mental

Sabe-se que os fumantes sofrem de índices maiores de depressão e outros problemas mentais; agora, um novo estudo relata que até mesmo os fumantes passivos possuem um risco significativamente mais alto e maior probabilidade de serem hospitalizados por doenças mentais.

O estudo analisou dados da Pesquisa Escocesa de Saúde, entre 1998 e 2003, uma observação periódica de uma amostra nacionalmente representativa de cerca de 5.560 adultos não-fumantes e 2.595 fumantes. Os pesquisadores usaram um questionário com 12 itens para avaliar a saúde mental, incluindo problemas de sono e sintomas de depressão e ansiedade. Os níveis salivares de cotinina, um subproduto da nicotina, foram usados para medir a exposição à fumaça de cigarro.

Fumantes passivos tiveram probabilidade 1,5 vezes maior de sofrer de sintomas de transtorno psicológico em comparação aos não-fumantes que não se expuseram à fumaça, segundo o estudo. E o risco aumenta quanto maior for a exposição ao fumo passivo.

Embora as hospitalizações psiquiátricas tenham sido raras em geral, os não-fumantes que se expuseram à fumaça também tiveram quase três vezes mais chances de darem entrada num hospital psiquiátrico, de acordo com o estudo, que foi publicado online em 7 de junho no “Archives of General Psychiatry”.

Embora se conheça há muito tempo a associação entre o tabagismo e problemas de saúde mental, os pesquisadores nunca puderam estabelecer se as pessoas com doença mental têm maior tendência a adotar o hábito de fumar, ou se o fumo pode de fato ajudar a causar a doença mental, disse Mark Hamer, o principal autor do estudo e pesquisador sênior da University College London.

“Esta pesquisa de alguma forma sugere que a nicotina tem algum tipo de impacto na saúde mental”, disse Hamer. “Mas, é claro, precisamos investigar mais”.
DO “The New York Timwe”
Fonte:Folha Online/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)