Educação é aliada no combate ao uso do crack no Brasil

Projeto Pró-Reeduca do Denarc tenta mostrar que existe vida após as drogas.

Guilherme Almeida, ex-usuário de drogas, conta que quando consumia crack simplesmente vendia tudo o que tinha, até mesmo as roupas, para sustentar o vício. Ele diz que uma vez tentou arrebentar a porta do quarto da mãe para pegar um aparelho de DVD para vender, porque estava sem dinheiro.

Assim como Guilherme, estima-se que dois milhões de pessoas sejam usuárias de droga no Brasil. Enquanto a polícia trabalha na repressão aos traficantes, instituições investem na recuperação dos usuários e tentam mostrar o que a substância causa no organismo e na vida social. Muitas vezes, é necessário consumir apenas uma vez a droga para ficar viciado, dizem os especialistas.

.O policial Carlos Senna, que atua no projeto Pró-Reeduca do Denarc (Departamento de Investigação sobre Narcóticos), deixou de atuar na repressão e passou a trabalhar na orientação. O projeto visa esclarecer usuários e seus pais, escolas e a sociedade sobre o que é o crack. A instituição também encaminha para clínicas de recuperação. O trabalho tem mostrado é que é possível evitar o vício e se livrar dele.
Fonte:R7/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)