Sergipe estimula criação de planos municipais de enfrentamento ao crack

O Governo do Estado de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e do Desenvolvimento Social (Seides), promoveu nesta quinta-feira, 1º, uma reunião com os técnicos em referência social de 13 municípios sergipanos. Além da apresentação do ´Plano Estadual de Enfrentamento ao Crack´, os técnicos presentes tiveram a oportunidade de socializar as experiências municipais de enfrentamento às drogas e identificar as necessidades de intervenções locais.

As ações integram a campanha ´Sergipe contra o crack. A favor da vida´ e, na Seides, fazem parte de um planejamento estratégico em Aracaju e mais 12 municípios, 13 Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas) e outros 37 Centros de Referência em Assistência Social (Cras).

A convite da Seides, o Gabinete da primeira-dama Eliane Aquino enviou sua assessoria para apresentar o Plano Estadual de forma mais detalhada, especificando as diferentes atribuições dos governos federais, estaduais e municipais.

São papéis do Estado a articulação, coordenação e apoio técnico e financeiro do plano; combate ao tráfico; criação de um comitê gestor e o desenvolvimento para a mobilização e participação comunitária. Aos municípios compete a identificação das necessidades de intervenções; articulação de recursos e elaboração de um plano municipal.

De acordo Eleonora Ribeiro, assessora do Gabinete da primeira-dama, a criação de planos municipais é um dos objetivos centrais do Plano Estadual em que o enfrentamento deve se iniciar, segundo a avaliação da Secretaria de Segurança Pública, nos municípios com maiores índices de apreensão de drogas como Aracaju, Socorro, Barra dos Coqueiros, Lagarto, Itabaiana, Estância, Propriá, São Cristóvão e Nossa Senhora das Dores.

“Nossa proposta é trabalhar em rede, com o envolvimento de todas as secretarias estaduais, principalmente as de Segurança Pública, Educação, Saúde e Assistência Social.

Outro objetivo é a execução do Plano nos municípios, por isso a importância de se criar planos municipais para que todos os eixos estratégicos de prevenção, mobilização, acolhimento, reinserção e repressão sejam praticados com eficiência”, explicou Eleonora.

Foco no crack
Segundo a assistente social responsável pela coordenação da Proteção Social Especial da Seides, Cláudia Cardoso, o encontro com os técnicos em referência já faz parte de um cronograma de atividades da secretaria com foco central no crack, um dos principais problemas enfrentados pelas cidades de todo o Brasil.

“Como o acompanhamento das equipes técnicas já faz parte das atividades da Seides, nosso destaque atual é para o enfrentamento da violência e das drogas. Tendo como foco principal o crack, pretendemos fortalecer as ações nos municípios e avançar no enfrentamento e prevenção das drogas a partir do debate amplo e da troca de experiências”, afirmou Cláudia.

Para a coordenadora de medidas socioeducativas de Aracaju em meio aberto, Vilma Teixeira, a demanda com o atendimento aos usuários do crack vem crescendo, por isso a criação de planos estadual e municipais é tão importante. “Muitos adolescentes estão cada vez mais envolvidos com a droga e as famílias, dificilmente, sabem que medidas tomar. Os Creas desempenham um trabalho fundamental para o atendimento de usuários de drogas”, ressaltou.

A vice-presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Criança (Cedca), Carina Oliveira, lembrou que o Conselho tem o papel fiscalizador dos planos, no sentido de colaborar e avaliar suas propostas. Sabendo que os maiores usuários de crack estão na faixa etária entre 12 e 18 anos, a atenção a esse público deve ser redobrada com o trabalho de enfrentamento e recuperação”, finalizou.
Autor: Da redação
OBID Fonte: Plenário