Fatores associados ao uso pesado de álcool entre estudantes das capitais brasileiras

O consumo de bebidas alcoólicas durante a infância e a adolescência é um sério problema que desperta grande preocupação no mundo todo. Na fase de transição para a vida adulta, repleto de mudanças físicas, psicológicas e sociais, o sistema nervoso central ainda se encontra em desenvolvimento e é mais suscetível aos danos causados pelo álcool, podendo levar ao comprometimento de várias funções. Sabe-se que uma série de fatores individuais, sociais e econômicos, principalmente a família e colegas, influencia o uso de álcool pelo jovem. Desta maneira, a análise de tais fatores pode auxiliar no desenvolvimento de campanhas preventivas e permitir intervenções sobre estes comportamentos.


No Brasil, um estudo recente avaliou a associação entre o uso pesado de álcool por estudantes e fatores familiares, pessoais e sociais. Este estudo transversal foi realizado com 48.155 estudantes, com idade entre 10 e 18 anos, de escolas públicas de 27 capitais brasileiras, em 2004. Os dados foram coletados por meio de questionário anônimo, de autopreenchimento, adaptado a partir de um instrumento desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde. O questionário continha questões sobre frequência e padrão de uso de álcool e outras drogas, dados sociodemográficos, frequência escolar, prática esportiva, religião e trabalho. Além disso, haviam questões sobre relacionamento familiar e percepção quanto ao controle exercido pelos pais.

Do total de estudantes, 8,9% fizeram uso pesado* de álcool no mês anterior à entrevista, sendo que a maioria tinha mais de 15 anos de idade. Ter trabalho formal foi a característica mais fortemente associada ao uso pesado de álcool por estudantes: aqueles com vínculo empregatício tiveram chance 84% maior de ter feito uso pesado de álcool, comparado aos que não tinham trabalho formal. Além disso, ter uma relação ruim/regular com a mãe ou com o pai aumentou em 61% e 46%, respectivamente, a chance de o adolescente ser usuário pesado de álcool. Da mesma maneira, a percepção de ter um pai liberal também esteve associada ao uso pesado de álcool. No entanto, a percepção de ter uma mãe liberal, assim como a prática de esportes, não apresentou uma associação estatisticamente significante com o consumo pesado de álcool. Em paralelo, ser adepto de uma religião diminuiu em 17% a chance de o estudante ter feito uso pesado de álcool.

Os resultados deste estudo mostram que os fatores associados a uma maior chance de ter feito uso pesado de álcool foram: ter mais de 15 anos de idade, relação ruim ou regular com pai e mãe, perceber o pai como liberal, não ter filiação religiosa e ter trabalho formal. Assim, o estudo sugere que ter ligações familiares mais fortes e seguir uma religião podem auxiliar na prevenção do uso abusivo de álcool entre estudantes.

*O uso pesado de álcool foi definido pelo estudo como o consumo de bebidas alcoólicas por 20 dias ou mais no último mês, ou no mínimo seis episódios de embriaguez no último mês.
Título: Factors associated with heavy alcohol use among students in Brazilian capitals
Autores: Galduróz JC, Sanchez ZM, Opaleye ES, Noto AR, Fonseca AM, Gomes PL, Carlini EA
Fonte: Rev Saude Publica 44:267-273, 2010.
IF: 0.963
Fonte:CISA – Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool