Estudo apresentado em Viena indica que tratamento contra a aids também ajuda na prevenção do HIV entre usuários de drogas injetáveis

O tratamento contra a aids também é eficaz para a prevenção da transmissão do HIV entre os usuários de drogas injetáveis, apontou um estudo do Centro de Excelência em HIV e Aids do Estado da Columbia Britânica no Canadá.

Apesar de não precisar qual é a diminuição do risco no compartilhamento de seringas contaminadas entre as pessoas em tratamento com antirretrovirais, os resultados da pesquisa apresentada na XVIII Conferência Internacional de Aids, em Viena, podem ser usados como mais uma estratégia de prevenção no Leste Europeu e na Ásia Central. “Este estudo sugere que com uma cobertura integral do tratamento contra a aids nessa região, com certeza diminuiremos os novos casos de HIV”, disse a diretora do Instituto norte-americano sobre Abuso de Drogas, Nora D. Volkow.

O número limitado de programas de distribuição de medicamentos e de políticas de redução de danos com a disposição de seringas descartáveis contribuíram para que essa região se tornasse a única do mundo, onde a proporção de casos novos do HIV ainda cresce.

Os especialistas alertam, entretanto, que seringas nunca devem ser compartilhadas, pois mesmo em tratamento antirretroviral e com cargas virais indetectáveis no corpo humano, há chances de transmissão do vírus.

Em maio, a revista científica The Lancet publicou um estudo mostrando que o tratamento da aids diminui em 92% a chance de infecção do HIV em relações sexuais desprotegidas.
Autor: Lucas Bonanno
OBID Fonte: Agência de Notícias da Aids