Um plano contra o avanço das drogas

Secretarias estaduais começam a elaborar estratégia de combate ao tráfico e ao uso do crack e outros tóxicos.

Quase meia tonelada de crack foi apreendida no Rio Grande do Norte desde 2004. A soma feita pela Polícia Federal não foi finalizada ainda e revela o aumento do tráfico e consumo da droga no estado. “É um mercado muito atrativo, em que pequenas quantidades podem render para milhares de usuários”, afirma o agente da Polícia Federal Stênio de Almeida. Com o objetivo de integrar as ações no combate ao crack e outras drogas no RN, um grupo formado por representantes das secretarias de Saúde, Educação, Segurança Pública e Assistência Social do estado, além de instituições civis, está reunido para discutir a articulação do Plano Estadual de Combate ao Crack e Outras Drogas. Ele será lançado pelo governo do estadual no início do mês de setembro, quatro meses após o lançamento nacional de plano.

De acordo com a coordenadora estadual de Saúde Mental e membro da comissão de implantação do plano de combate às drogas, Liege Uchôa, as ações foram divididas em quatro eixos: prevenção, tratamento, ressocialização e repressão qualificada. “Cada segmento será de responsabilidade de uma secretaria, que contará com apoio também da sociedade civil organizada, para desenvolver as redes de ações que serão implantadas”, afirmou Liege. Durante o evento que começou ontem foram discutidas diretrizes para a construção das metas. Na área de prevenção, o policial militar Barros, da coordenação do Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd), que atende escolas públicas e privadas de Natal e mais 20 municípios potiguares, reforça a importância de ações integradas. “A partir do momento que unimos as forças, possamos ampliar o trabalho de prevenção, não só nas escolas como também na família e ambiente de trabalho. Atuando em conjunto podemos conseguir metas de curto, médio e longo prazo”.

Para o tratamento e ressocialização, de acordo com Liege Uchôa, a rede de saúde irá trabalhar na reestruturação do Centros de Atenção Psicossocial (Caps), para o tratamento e reinserção social dos dependentes químicos. “Também iremos desenvolver metas para políticas públicas para ressocialização, além do atendimento básico e de média e alta complexidade na rede hospitalar”, enfatizou.

Na área de repressão qualificada, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, através da Polícia Militar apresentou as ações que já estão sendo desenvolvidas no programa Ronda Escolar. De acordo com o major Artur, o projeto tem por missão atuar nos corredores escolares para coibir a violência e a comercialização de drogas. “O projeto está presente em Natal e Parnamirim, com um efetivo de 70 policiais capacitados para atuar junto às escolas e comunidade”, concluiu.

Na próxima sexta-feira, a partir das 9h, no auditório da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), haverá o Fórum Intersetorial de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Na oportunidade serão apresentados o relatório de ações que serão desenvolvidas pelas secretarias estaduais, custos, prazos, responsáveis e desafios que serão enfrentados. “A partir do alinhamento das ações de gestão democrática, caminharemos em conjunto para combater as drogas no nosso estado”, disse Liege. As discussões sobre a criação do Plano de Enfrentamento do Crack começaram no último mês de maio com a criação do Comitê Estadual.

Saiba mais

Investimento previsto pelo governo federal para combate ao crack:
R$ 410 milhões
Área de atuação:
Prevenção, tratamento, ressocialização e repressão qualificada
Apreensão:
422kg de crack foram apreendidos no RN desde 2004
Fonte:Diário de Natal/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)