Lembre: grávidas fumantes geram problemas à saúde do bebê

Existem vários fatores que influenciam nas complicações com a saúde, uma delas é o uso do tabaco.

Por isso, o Programa de Controle do Tabagismo da Secretaria de Saúde do Estado (Sesau) realizou, na manhã desta quarta-feira (25), na clínica infantil Daisy Brêda, uma palestra focando os riscos que o tabaco gera a saúde.

A iniciativa tem como objetivo prevenir e promover a saúde. Segundo Vetrúcia Teixeira, coordenadora do controle do tabagismo, o setor também vai implantar o ambiente livre do fumo, onde será feita uma conscientização para acabar com o uso do cigarro. A primeira a receber esse projeto será a clinica infantil Daisy Brêda.

De acordo com a pediatra Renalva Pereira, da clinica infantil Daisy Brêda, o tabaco diminui a vascularização impedindo que os nutrientes cheguem até o feto, por isso é extremamente inconseqüente fumar no período gestacional.

“Mesmo não sendo fumantes ativas, mulheres que durante a gestação são expostas ao tabaco também aumentam as chances de episódios de hemorragias e complicações com a placenta durante o parto”, explica a pediatra Renalva Pereira.

Ela também lembra que no período puerperal as mães que fumam contaminam seus filhos, pois o leite absorve a nicotina. Além disso, o tabagismo também aumenta o risco de osteoporose, infertilidade e menopausa precoce.

A pediatra ainda ressalta que o fumante passivo é mais prejudicado, pois ele inala mais de 4 mil substâncias maléficas à saúde, podendo ocasionar câncer de pulmão, infarto e outras doenças graves. Segundo Renalva, a maioria dos casos de crianças que estão no programa de asma está relacionada com o tabaco.

Na oportunidade, também foram discutidos outros fatores relacionados à saúde como a ingestão de sal em grande quantidade, cuidados com a higiene bucal e ações de psicologia envolvendo funcionários e pacientes.
Fonte:Primeira Edição/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)