Crime e droga aumentam em 8% apreensão de adolescentes

A adolescência sempre foi período de rebeldia e descobertas. As primeiras paqueras, a decisão de qual carreira seguir, o início da sexualidade entre outras questões tão comuns à faixa etária.

Mas além de constetador, o adolescente está cada vez mais envolvido em crime. Em Bauru, no primeiro semestre deste ano, a Delegacia da Infância e Juventude (Diju) registrou 520 ocorrências envolvendo adolescentes e 43 deles foram apreendidos.

No mesmo período do ano passado, foram 580 ocorrências, mas com 33 adolescentes apreendidos. Ou seja, apesar da quantidade de infrações ter reduzido, o número de ocorrências graves, que levam à recolha do adolescente à Fundação Casa, aumentou. Em 2009, 5,5% dos adolescentes envolvidos em infrações foram apreendidos. Neste ano, esse índice subiu para 8%. O crack é apontado como principal motivo para este aumento.

O adolescente é internado, por decisão judicial, em três hipóteses: quanto é autor de ato infracional com grave ameaça à vítima, quando reincide na prática de infrações e quando descumpre medida socioeducativa anteriormente imposta. O juiz da Vara da Infância e Juventude de Bauru, Ubirajara Maintinguer, também entende que tráfico de drogas é passível de apreensão do adolescente.

De acordo com a delegada titular da Diju, Rejani Borro Ortiz Tiritan, na cidade, os atos infracionais que mais envolvem adolescentes são tráfico, roubo e homicídio, sendo este último em menor número. Porém, ela explica que, apesar dos delitos serem diferentes, a principal base de todos os crimes é justamente o tráfico de drogas, especificamente o crack.

“Para alimentar o vício, eles passam a fazer pequenos serviços ao crime organizado. Passam a vender um pouquinho, a transportar o produto e outros trabalhos considerados menores”, exemplifica.

A droga também é o principal motivo que leva adolescentes a roubarem. Os usuários passam a roubar para alimentar o vício. Quando ficam sem o dinheiro para comprar a droga, eles roubam ou furtam e trocam esses produtos pelo entorpecente, principalmente o crack.

Para Rejani Tiritan, o aumento de adolescentes apreendidos também se deve ao fato de a polícia estar mais atento à esta faixa etária. “É nítido que a criminalidade invadiu esse grupo. Por isso, a polícia está mais atenta do que era no passado. A imagem do adolescente mudou um pouco em relação à sociedade e à fiscalização”, completa.
Fonte:JC Net/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)