Força de vontade para parar de fumar

Parar de fumar não é um processo simples. Trata-se de uma dependência tanto física quanto psicológica e que demanda, em grande parte, tratamento com especialistas de várias áreas.

Mas mais importante do que adesivos e mudança de alimentação, segundo os médicos, é a força de vontade. Sim, todo mundo pode abandonar o vício, desde que queira.

Estudos apontam que apenas 5% dos ex-fumantes se mantêm longe do cigarro após um ano quando tentam largar o vício sozinhos. “Muito disso acontece porque as pessoas não têm vontade de parar. Mas é possível largar o cigarro de vez”, explica a psiquiatra Célia Lídia da Costa, coordenadora do Grupo de Apoio ao Tabagista do Hospital A.C. Camargo (SP).

O presidente Lula é um dos exemplos de quem está tentando se livrar do vício. Ele declarou nesta semana que parou de fumar há oito meses e incentivou fumantes a imitarem sua ação.

O atendimento para quem quer largar o cigarro vai de alterações na rotina e mudanças na alimentação a uso de medicamentos controlados por médicos. Na maioria das vezes, o atendimento psicológico também é essencial.

Segundo a psiquiatra Célia, 50% dos fumantes têm associação com a depressão. “Como eles têm poucas substâncias de prazer no cérebro, usam o cigarro como remédio. Quando tratamos da doença de base, fica mais fácil”, completa a cardiologista Stella Martins, diretora do Programa de Atenção ao Tabagista do Cratod (Centro de Referência em Álcool, Tabaco e outras Drogas) da Secretaria Estadual de Saúde.

A “segurança” induzida pelo cigarro também é combatida durante o acompanhamento psicológico. “O fumo diminui a ansiedade e a pessoa aprende que, fumando, enfrenta qualquer situação. Só que ela precisa acreditar que enfrenta tudo sem o cigarro”, diz Stella.

Cigarro esporádico – A alegação de que a nicotina atenua a ansiedade e o nervosismo foi usada por Adriane Galisteu para justificar que voltou a fumar esporadicamente, autorizada por seu médico, após o nascimento do filho. Para o obstetra Guilherme Loureiro, da Maternidade Santa Joana (SP), é necessário avaliar caso a caso e os riscos e benefícios para cada mãe fumante. “O ideal é que ela não fume. Mas se é para melhorar a harmonia em casa, para evitar que ela fique nervosa, pode-se fumar um ou dois por dia”.

RECOMENDAÇÕES MÉDICAS – Não beba café após as refeições. Depois de comer, vá escovar os dentes. Beba água para ´distrair´ a vontade de fumar. Carregue um saquinho com uva passa e casca de laranja. Mastigue estes itens com frequência para manter a boca ´ocupada´.

LEGISLAÇÃO ÚTIL
“A lei antifumo trouxe benefícios. Com as dificuldades impostas, as pessoas foram diminuindo de fumar e pararam” – Stella Martins, diretora do Cratod.

Ajuda

Ministério da Saúde – O governo oferece um serviço por meio do telefone 0800 61 1997 que orienta sobre como parar de fumar e preços de remédios, entre outras dicas.

Pouca nicotina até o cérebro ´esquecer´ – Adesivos e chicletes são bastante usados para reposição de nicotina em pessoas que estão parando de fumar. O tratamento utiliza doses decrescentes para “enganar” os neurotransmissores, até que o cérebro “esqueça” desta substância.

17,2% dos brasileiros eram fumantes em 2008.

Sem cometer o mesmo erro – As recaídas fazem parte do aprendizado do tratamento e geralmente ocorrem.
Fonte:Rede Bom Dia/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)