Prefeitura inicia projeto para construir clínica para dependentes químicos

“Olímpia terá uma das melhores enfermarias do Estado de São Paulo”, afirma o médico psiquiatra e professor Ronaldo Laranjeira.

Olímpia poderá ter uma clínica pública regional de dependentes de usos de droga e álcool no início do ano que vem. O assunto foi discutido sexta-feira passada, 23 de julho, com o renomado médico psiquiatra e professor Ronaldo Laranjeira, que veio a Olímpia a convite do prefeito Geninho Zuliani e da secretária da Saúde, Silvia Forti Storti.

O evento foi realizado na sede da Casa dos Advogados, com as presenças do prefeito e secretária Silvia; juízas Andrea Galhardo Palma (1ª Vara e Vara da Infância e da Juventude) e Adriane Bandeira Pereira (da 2ª Vara); promotores Daniela Ito Echiverria, Gilberto Ramos de Oliveira Júnior, Renata Fernandes Godama e José Márcio Rosseto Leite; representando a DRS-5, Angélica Basso Mimoto, diretora técnica substituta, e Ivana Clemente, interlocutora de Saúde Mental, ambas de Barretos; membros do CEREA (Centro de Recuperação do Alcoólatra), Ambulatório Renascer ligado à Pastoral da Sobriedade, NA (Narcóticos Anônimos), Conselhos Municipais da Saúde, Assistência Social, do Direito das Crianças e Adolescentes, Tutelar, médicos, profissionais da rede pública, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Delegacia de Polícia, religiosos e Poder Legislativo, representado pelo vereador José Elias Morais, Zé das Pedras, líder do PMDB.

Ronaldo Laranjeira apresentou para uma platéia de cerca de 150 convidados alguns modelos de instituições, fez considerações sobre o uso de drogas e álcool, mudanças de comportamento e até no cérebro desses dependentes, e respondeu muitas perguntas.

O modelo da clínica que deverá ser implantada em Olímpia é inédito na região, mais eficiente e poderá, inclusive, minimizar gastos do próprio SUS com tratamentos tradicionais. Da parte do governo municipal, questões como prédio e recursos para a sua readequação já não são problemas. Só falta a Secretaria Estadual da Saúde firmar a parceria, incluindo o gestor que será a UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

O custo mensal dessa clínica, para atender inicialmente 30 dependentes, estima-se que será de R$ 100 mil mensais, que poderá ser repartido entre as 19 cidades que integram a DRS-5 (Diretoria Regional de Saúde), de Barretos e até as cidades que integram a UMVARIG (União dos Municípios do Vale do Rio Grande). Cada cidade, proporcionalmente ao número habitacional e participação financeira, terá a sua cota de encaminhamento.

“A prefeitura ficará responsável pela reforma do prédio e a Secretaria de Estado da Saúde será responsável pelo custeio, cerca de R$ 100 mil mensais, e a Universidade (UNIFESP) e fará a gestão, inclusive com treinamento do pessoal”, explicou o médico.

CAMINHO
Há cerca de três meses, um colegiado da sociedade vem se reunindo para encontrar um caminho para a recuperação de dependentes químicos, inclusive com Geninho, Laranjeira e a secretária Sílvia. Há 20 dias, o então secretário-adjunto, hoje respondendo pela Secretaria de Estado da Saúde (pela morte há uma semana do titular Luiz Roberto Barradas Barata), Nilson Ferraz Paschoa, em reunião com o Geninho e Laranjeira, já tinha dado o sinal verde para o projeto em Olímpia.

“Não podemos sair hoje sem uma solução para esse grave problema, que não é só de Olímpia, mas como já disse Franco Montoro (ex-governador paulista falecido), não vivemos na União, nem no Estado, mas no município, daí o que depender de nossa parte, já é assunto vencido. Está aceito”, anunciou o prefeito Geninho.

Ele frisou que não quer ser ´egoísta´ e nem ´vaidoso´ para querer o projeto somente para Olímpia, e justificou: “Ele tem uma abrangência regional, quero que os 19 municípios da região administrativa da Saúde participe dele. Vou procurar prefeito por prefeito para a adesão, ajudando a bancar os custeios mensais. Agora, o investimento para transformar aquele prédio (da Beneficência) que já foi um hospital, pode contar com a prefeitura de Olímpia”.

Além do prédio onde hoje funciona a Secretaria da Saúde, o prefeito disse que poderá, também, se for o caso, investir para readequar um prédio estadual onde funcionava uma escola no bairro rural do Campo Alegre. “Também é um local fantástico. Estamos dispostos a cumprir o que for melhor”, disse Geninho.

PRÉDIO
Antes do encontro, Ronaldo Laranjeira visitou dois imóveis que poderiam abrigar uma clínica de recuperação: o prédio da antiga Beneficência Portuguesa, hoje da Santa Casa de Misericórdia, alugado para a Secretaria de Saúde de Olímpia; e um imóvel na Zona Rural. O especialista achou o prédio da Beneficência ´perfeito´, quase pronto para o projeto.

“Agora, com o aval do prefeito, anunciado neste instante, e com o sinal verde que o Dr. Nilson Paschoa tinha dado há cerca de três semanas, em reunião com o prefeito, tenho certeza que o projeto dará certo”, disse Laranjeira. “O Dr. Paschoa, agora secretário da Saúde, me pediu que viesse a Olímpia para fazer um estudo, conjuntamente com o pessoal da cidade. E o que eu vi é muito bom. Existe essa coesão entre o prefeito, Ministério Público, as juízas e toda a sociedade. Sobre a Beneficência Portuguesa, o local é muito bom, está absolutamente adequado, restam algumas adaptações e vocês, em Olímpia, terão uma das melhores enfermarias do Estado de São Paulo”, disse o médico Ronaldo Laranjeira.

“Esta é uma parceria muito boa, tem funcionado bem em outros lugares, e tem de funcionar bem aqui em Olímpia. Se tem uma decisão política local, se tem o Estado que tem a capacidade de financiar, e uma Universidade completamente compromissada com a melhoria do serviço público, tem de dar certo, é um passo importante na proteção da sociedade na região e tem de ser complementado com uma série de outras ações, como controle do tráfico na região, a melhoria das condições das famílias, esses grupos como Narcóticos Anônimos e Alcoólatras Anônimos, a Pastoral da Sobriedade, temos de fazer essa coesão que tem tudo para dar certo”, concluiu.

Laranjeira acredita que, se tudo caminhar como já vem ocorrendo, em janeiro de 2.011 Olímpia já terá a sua clínica pública de tratamento de dependentes, seja das drogas, seja de álcool.
Fonte:Prefeitura Municipal de Olímpia/ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)