Fumantes têm três vezes mais chances de sofrer um infarto

eBand
Uma pesquisa realizada com mais de 27 mil pessoas aponta que fumantes têm três vezes mais chances de sofrer um infarto.

O risco aumenta em 63% nas pessoas que fumam menos de dez cigarros diariamente. Essa chance é 2,6 vezes maior para os fumantes que acendem entre 10 e 19 cigarros e de 4,6 vezes para aqueles que fumam mais de 20 cigarros.

Ainda de acordo com o levantamento Interheart , desenvolvido para avaliar a importância dos fatores de risco para o infarto do miocárdio ao redor do mundo, o risco diminui gradativamente depois que a pessoa para de fumar. E, neste ponto, o número de cigarros que a pessoa fuma por dia tem relação direta com o tamanho do perigo.

De acordo com a psicóloga Silvia Cury Ismael, chefe do Serviço de Psicologia e responsável pelo Programa de Cuidado Integral ao Fumante do HCor, “as pessoas precisam ter a consciência que o cigarro precisa ser gradativamente extinto, pois fumar causa males à saúde e ao nosso meio ambiente”, explica.

Narguilé

Ainda segundo a especialista, “o cigarro é uma droga lícita que consequentemente abre as portas para o consumo de drogas ilícitas. Outro dado importante é que os jovens tem fumado cada vez mais o narguilé que por utilizar fumo perfumado, parece não fazer mal. Mas uma sessão de narguilé corresponde a cem cigarros fumados em quantidade de nicotina”, alerta.

Os dados em relação ao fumo no Brasil são alarmantes. De acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), no país, 200 mil mortes anuais são causadas pelo tabagismo e, atualmente, 16% dos brasileiros adultos são fumantes. Os homens apresentaram prevalências mais elevadas de fumantes do que as mulheres, sendo que a concentração de fumantes é maior entre as pessoas com menos de oito anos de estudo do que entre pessoas com oito ou mais anos de estudo.

O cigarro brasileiro é o sexto mais barato do mundo e cerca de 8% dos gastos com internação e quimioterapia no SUS (Sistema Único de Saúde) são atribuídos a doenças relacionadas ao consumo do tabaco.

A nicotina do cigarro prejudica não só os fumantes ativos, mas também os passivos, aqueles que respiram a fumaça expelida pelo fumante. De acordo com o HCor, os fumantes passivos podem ser atingidos das seguintes formas:

• Ao respirar a fumaça do cigarro, os não fumantes correm o risco de ter doenças como infarto do coração, câncer de pulmão, diabetes e catarata precoce;
• Os não fumantes que respiram a fumaça do tabaco têm um risco maior de desenvolver doenças relacionadas ao tabagismo. Quanto maior o tempo em que o não fumante fica exposto à poluição tabagista, maior a chance de adoecer. As crianças normalmente são as mais afetadas, sofrendo com bronquite e pneumonia, asma e infecções do ouvido médio;
• Basta manter um cigarro aceso para poluir um ambiente com as substâncias tóxicas da sua fumaça. Ao fim do dia, em um ambiente poluído, os não fumantes podem ter respirado o equivalente a dez cigarros.

Confira algumas dicas para parar de fumar :

• Escolha um dia para parar de fumar de uma vez só;
• Tome água quando tiver vontade de fumar;
• Procure ler, caminhar e praticar atividades que distraiam a mente;
• Modifique sua rotina o máximo possível;
• Faça exercícios regularmente;
• Procure não substituir o cigarro pela comida;
• Escove os dentes logo após as refeições;
• Pratique relaxamento e exercícios de respiração;
• Tenha sempre em mente que o cigarro é um inimigo da saúde;
• Procure ajuda de especialistas se não conseguir parar sozinho.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)