Prefeitura de Aparecida trava luta contra o crack

Prefeitura Municipal de Aparecida
Além do Seminário “Aparecida Correndo pela Vida Contra o Crack” realizado nesta quinta-feira (4), as principais estratégias desenvolvidas em Aparecida incluem a criação de um comitê de enfrentamento ao álcool e drogas e a inauguração, nos próximos meses, do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Criarte Vida, que atenderá os dependentes químicos.

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela (PMDB), participou hoje, 4, no auditório do Tribunal do Júri de Aparecida, da abertura do Seminário “Aparecida Correndo pela Vida Contra o Crack”, que pretende preparar a população, profissionais e servidores de diversas áreas para o melhor enfrentamento da dependência química no município. “Esse é apenas o começo de nossas ações. Queremos que todo mês haja um ato em Aparecida, para que sejamos exemplo. Não é uma luta apenas nossa, mas precisamos começar de alguma forma”, sublinhou o peemedebista, para uma platéia de cerca de 150 educadores, profissionais de saúde, médicos, juristas, policiais militares, guardas municipais e secretários municipais.

O seminário é realizado pela Prefeitura de Aparecida de Goiânia, por meio da Coordenação de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), e em parceria com a Câmara Municipal, Ministério Público Estadual (MPE), Poder Judiciário e demais entidades não-governamentais. “A intenção é preparar multiplicadores para o enfretamento da dependência química, desde o álcool a outras drogas”, completou a coordenadora de Saúde Mental de Aparecida, Vanessa Luiz Gonçalves da Silva, frisando que, embora o crack esteja no centro das ações de combate, o trabalho também foca outros entorpecentes.

O ciclo de palestras foi aberto com o tema “Precocidade no Abuso de Substâncias Químicas”, ministrado pelo promotor da 3ª Promotoria de Justiça da Infância e Educação de Aparecida, Márcio do Nascimento. A programação se estendeu até as 17 horas e abordou outros temas: “Prevenção através das Políticas Públicas destinadas aos Jovens”; “Crack – um problema de Saúde Pública”; “A afetividade do educador e sua influência na formação moral do educando”; “Criminalidade e o abuso de substâncias químicas”; e “Introdução ao estudo da Dependência Química”.

As exposições foram feitas por psicólogos, psiquiatras, toxicologistas e farmacêuticos. Elas ajudaram os participantes a entenderem o perfil do usuário de crack em Aparecida e, em seguida, traçar as ações de combate. “Estamos reconhecendo o problema e buscando formas de combatê-lo, chamando a atenção da população para o problema, inclusive dos mais jovens, que se tornam alvo fácil das drogas”, pontuou Maguito.

A preocupação é confirmada pela Coordenação de Saúde Mental de Aparecida, que aponta que o perfil predominante dos usuários de crack em Aparecida são jovens de até 25 anos, de baixa escolaridade e a maioria do sexo masculino. A identificação de crianças de 11 anos de idade, que passam a consumir a droga, também é cada vez maior. “Entre os 139 pacientes, que recebem o acompanhamento da Coordenação de Saúde Mental da SMS atualmente, já existem crianças com idade entre 11 e 13 anos”, afirmou Vanessa.

Para atrair a atenção dessa população e de toda a sociedade, serão realizados nos próximos meses atos públicos, mini-maratonas e outras atividades. Para o próximo dia 21, já está prevista uma corrida, na região central de Aparecida. “Vamos definir todos os detalhes em breve e faremos uma ampla divulgação”, informou Vanessa Gonçalves.

ESTRATÉGIAS – Além do seminário, as principais estratégias desenvolvidas em Aparecida incluem a criação de um comitê de enfrentamento ao álcool e drogas, composto por entidades governamentais e não-governamentais do município e a inauguração, nos próximos meses, do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Criarte Vida, ligado à SMS e que atenderá os dependentes químicos de Aparecida.

O seminário, proposto pelo Ministério da Saúde, teve participação do vice-prefeito Tanner de Melo (DEM); do diretor do Fórum de Aparecida, juiz Declieux Ferreira Júnior; dos secretários da administração, entre eles Domingos Pereira (Educação) e Rafael Nakamura (Saúde); do coordenador do CREAS de Aparecida, Flávio Serafim e outros.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)