Pesquisa confirma que consumo da maconha leva a problemas cognitivos graves

Correio Braziliense
Muitos são os apelos para o consumo. Euforia, menos inibição, relaxamento e até criatividade.

Aliado a tudo isso, o mito de que a maconha não provoca danos mentais importantes leva a droga ao topo do consumo de substâncias ilícitas no país. Levantamentos oficiais apontam que quase 2% da população brasileira fumou maconha no último mês. Entre os universitários, a proporção é de aproximadamente 10%. A crença comum entre praticamente todos os usuários, porém, foi quebrada. Estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta evidências científicas de que a chamada “erva natural” provoca deficiências cerebrais relevantes, prejudicando a memória, o autocontrole, a capacidade de planejamento, de organização e a fluência verbal.

Para chegar a tais conclusões, a pesquisa, apresentada como tese de doutorado pelo Laboratório de Neurociências Clínicas da Unifesp, utilizou uma amostra de 173 usuários crônicos de maconha, que fumam de um a dois cigarros de maconha por dia, há pelo menos 10 anos. O contigente pesquisado, segundo Maria Alice Fontes, neuropsicóloga e autora do estudo, é o maior do mundo nessas condições. “Conseguimos trabalhar uma amostra de pessoas que utilizam exclusivamente a maconha, o que é muito difícil. Geralmente, os grupos têm problemas relacionados ao uso de outras drogas e a doenças mentais associadas, como depressão, por exemplo”, destaca Maria Alice.

A amostra de 173 pessoas passou por testes neuropsicológicos que medem as funções “executivas” do cérebro — relacionadas ao maestro do cérebro, responsável pela capacidade de processar e organizar informações. Comparando os resultados com o grupo controle, formado por pesquisados com perfil parecido em termos de idade e escolaridade, ficou evidente o deficit dos usuários de maconha. No quesito memória, por exemplo, um dos testes deixa claro o abismo entre as duas populações estudadas. Ditou-se uma lista de 12 palavras para serem repetidas. O entrevistador repete apenas as que não foram lembradas. Enquanto o grupo de controle precisou, em média, de 34 repetições, os usuários necessitaram de 50.

“Para ter uma boa memória, você precisa ter um bom armazenamento. Ou seja, guardar a informação para depois recuperar. Verificamos que nos usuários de maconha a dificuldade começa já no início do processo, no armazenamento”, explica a neuropsicóloga Maria Alice. Um outro teste em que o grupo que utiliza a droga foi mal avaliado é o que mede a persistência em erros e a falta de capacidade de percebê-los. Determinadas combinações de cartas eram mantidas em sigilo, enquanto os entrevistados tentavam descobri-las, manuseando o baralho. O entrevistador limitava-se a dizer “certo” ou “errado”. As pessoas do grupo de controle acertaram quatro combinações, contra 2,5 descobertas pelos usuários de maconha.

Em outra bateria de testes, que avaliam funções como organização, planejamento e autocontrole, os participantes poderiam acumular 18 pontos, no máximo. A média dos que não usam maconha foi de 17,5 e dos que utilizam a droga, 16. “Olhando assim, pode não parecer uma diferença tão expressiva. Mas se você avaliar que são 173 pessoas e que estamos falando da média, é algo grave. Até porque houve gente que tirou 14, 15. E ter pontuação abaixo de 17 já é considerado problemático”, afirma a especialista. Ela destaca que houve relação entre a quantidade consumida, a idade de início do uso e os prejuízos cerebrais. “Quanto maior o consumo, piores os deficits. Principalmente se o usuário começou a fumar antes dos 15”, diz a especialista da Unifesp.

Banalização
Presidente da Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas (Abead), o psiquiatra Carlos Salgado enfatiza um “empobrecimento geral cognitivo” como o principal impacto da maconha. “Aí alguém sempre lembra que tem um sujeito brilhante, um ministro, um músico, que fuma há décadas. Sim, é verdade. Mas eles poderiam ser ainda mais brilhantes, porque estão atuando abaixo do seu potencial, abaixo do desempenho que poderiam ter”, ressalta Salgado. Entre as principais dificuldades dos usuários estão a memória, a qualidade de raciocínio para resolver questões complexas e a capacidade de responder a desafios psicomotores. “Jogar tênis ou atuar em um trânsito complicado pode ficar mais complicado”, diz.

Características muito próprias da maconha, segundo Salgado, levam a droga a uma espécie de banalização por boa parte da sociedade. “O impacto é mais sutil e lento que o de outras substâncias. Então, seu juízo de desempenho, de qualidade de vida demora mais a se formar”, diz o psiquiatra. Ele vai a outro extremo para fazer uma comparação. “Enquanto o crack tem ação intensa, sensação imediata e induz a vontade de repetir a dose rapidamente, a maconha é o contrário. Ela diminui a ansiedade, a menos que haja um quadro de depressão, relaxa e dá fome. Talvez daí venha essa aceitação maior”, diz ele. Salgado acredita que, se legalizada a maconha, o consumo será maior. “Estará mais disponível.”

OS DANOS SÃO IRREVERSÍVEIS?
Apesar dos resultados concretos, a pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) ainda não conseguiu responder a uma pergunta importante sobre o uso contínuo da maconha. Os danos cerebrais são permanentes ou, abandonando o hábito, é possível recuperar integralmente as funções prejudicadas? “Essa é uma discussão bastante controversa. Há indícios na literatura de que é possível ter de volta as competências, desde que a pessoa fique anos sem utilizar a droga”, afirma a pesquisadora Maria Alice Fontes, autora do estudo.

O que a pesquisa apresentada na Unifesp constatou é que, mesmo depois de 14 dias de abstinência, os deficits ocasionados pelo uso crônico da maconha persistem. A conclusão segue o caminho de outros estudos, que já haviam detectado a permanência dos prejuízos cognitivos até sete dias depois do último cigarro fumado. “Ainda precisamos conseguir analisar esse tema mais profundamente. A falta de usuários que se mantenham, por um longo tempo sem utilizar, depois de iniciados os estudos, dificulta trabalhos nesse sentido”, explica Maria Alice.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)