Maços de cigarro devem receber mensagens de alerta

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) colocou em consulta pública uma resolução que proíbe a exposição de embalagens de cigarros em pontos de venda, exceto em tabacarias. O texto prevê mudanças também na embalagem, reforçando as frases de advertência. Além das mensagens que já existem, estampadas no verso dos produtos, a Anvisa pretende incluir, na frente das caixas, a frase: “Tabagismo é doença. Você tem direito a tratamento – DisqueSaúde 0800 61 1997”.

A proposta do texto da resolução ficará em consulta pública até 31 de março. Passado esse período, o texto poderá sofrer ajustes. Para a diretora executiva da Aliança de Controle do Tabagismo (Actbr), Paula Johns, a medida pode representar um fim da estratégia adotada pela indústria de cigarro para driblar a proibição da propaganda.

– Atualmente, mesmo em locais permitidos, a indústria prefere colocar pilhas de embalagens de forma que apenas a marca do cigarro fique aparente.

Com essa manobra, as empresas deixam de usar os cartazes de publicidade, que, obrigatoriamente, trazem mensagens de advertências.

O aumento do espaço de frases de alerta – incluindo as mensagens na frente dos produtos – pode representar um baque para a indústria do tabaco. Especialistas em prevenção do tabagismo dizem que, durante anos, fabricantes usaram as embalagens como um instrumento de propaganda. Com frases de advertência, sobretudo acompanhadas de imagens impactantes sobre malefícios do cigarro, as embalagens acabam perdendo essa função.

Em menos de dois meses, essa é a segunda medida que a Anvisa coloca em consulta pública sobre cigarro. A outra proposta prevê a proibição da adição de produtos ao tabaco, como aromatizantes.
Autor:
OBID Fonte: OLHAR DIRETO ONLINE