Alagoas ganhará Casa de Acolhimento para dependentes químicos

JusBrasil
Unidade será construída em Maceió e tem o objetivo de oferecer cuidado integral em saúde para os usuários de crack e outras drogas.

Segundo Berto Gonçalo, com a Casa de Acolhimento os dependentes químicos contarão com um projeto terapêutico individualizado

((excluir)) O estado de Alagoas será contemplado pelo Ministério da Saúde (MS) com a primeira Casa de Acolhimento Transitório para Dependentes Químicos. A unidade, que tem o objetivo de oferecer cuidado integral em saúde para os usuários de crack e outras drogas, será construída em Maceió e terá a supervisão da Gerência de Saúde Mental da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Para isso, o MS irá repassar para Alagoas R$ 120 mil e, mensalmente, serão enviados R$ 24 mil para custeio, totalizando R$ 468 mil por ano, segundo especificação do Programa Nacional de Saúde Mental, conforme o Decreto 7.179 de 20 de maio de 2010. A Casa de Acolhimento Transitório para Dependentes Químicos deve contar com 20 leitos. Lá, cada paciente deverá permanecer por um período mínimo de 40 dias, dependendo do projeto terapêutico.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Toledo, a família neste contexto é chamada a participar do tratamento. “Independente do caso, a abordagem familiar é parte integrante e indispensável no tratamento, torna-se necessária uma comunicação clara, na busca por soluções satisfatórias para todos; é desta forma que se recuperam valores perdidos e se ajuda o dependente químico” comentou.

Com esta ação, completa o gerente de Saúde Mental da Sesau, Berto Gonçalo, os dependentes químicos contarão com um projeto terapêutico individualizado. O grande benefício é que ele atuará em conjunto com os Centros de Atenção Psicossocial (Caps), em articulação com a Atenção Básica e com dispositivos interssetoriais, a exemplo da Saúde, Assistência Social, Direitos Humanos, Justiça e Educação, explicou.

Ainda de acordo Berto Gonçalo, Maceió foi escolhido para abrigar a Casa de Acolhimento Transitório para Dependentes Químicos porque possui uma população superior a 250 mil habitantes. Este foi o pontapé inicial, mas iremos trabalhar para conseguir aprovar novas unidades para Alagoas, já que a problemática da dependência química no Estado é muito grande e necessita ser enfrentada, evidenciou o gerente de Saúde Mental da Sesau.

Serviços Entre os serviços disponibilizados na Casa de Acolhimento Transitório para Dependentes Químicos, os usuários irão contar com atividades lúdicas, a exemplo de esportes, dança e música. Por meio destas atividades, a reinserção social do dependente químico é assegurada, porque nas unidades serão promovidas diversas atividades para os pacientes, explicou Berto Gonçalo.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)