Fumar dentro do carro afeta a saúde do seu filho

Minha Vida
Nestas condições, aumentam os riscos de a criança desenvolver doenças respiratórias.

Uma pesquisa feita pela Canadian Medical Association, publicada no jornal de mesmo nome, aponta os riscos que as crianças sofrem quando passam muito tempo dentro de um carro acompanhado de pessoas fumantes, na maioria das vezes, os próprios pais.

Ao tentar determinar os riscos envolvidos, os autores observaram primeiramente a mistura de produtos químicos que compõem a fumaça do cigarro e sua concentração dentro do carro em condições diferentes, como velocidade, volume e ventilação.

Depois disso, calculou-se o tempo médio que uma pessoa fica dentro do carro e por quanto tempo ela ficaria inalando a fumaça.

Por último, foi comparado o modo como o fumo passivo afeta as crianças em relação aos adultos. Feitos os ajustes de risco, como incidência de doenças pulmonares e outros males que poderiam ser agravados com o cigarro, concluiu-se que as crianças são mais suscetíveis aos efeitos nocivos da fumaça.

Além disso, devido ao espaço dentro do carro ser muito pequeno e pouco ventilado, fumar dentro do carro gera uma concentração de partículas finas que são raramente encontradas no ar normal da cidade, consistindo, portanto, em um risco significativo à saúde.

Os pesquisadores alertam que fumar dentro do carro ainda é um hábito muito comum e deve ser evitado, pois as crianças ficam mais propensas à contaminação e desenvolvimento de doenças respiratórias por conta do cigarro.

Fumantes passivos correm mais riscos
Os malefícios do cigarro estendem-se aos chamados fumantes passivos. O problema é que, além de engolir a fumaça a contragosto, eles acabam expostos a mais riscos do que o dependente. “A fumaça da ponta do cigarro tem três vezes mais elementos cancerígenos”, alerta a psicóloga Silvia Ismael, do Hospital do Coração, em São Paulo.

O cenário é ainda mais assustador em relação às crianças. Sabes-se que no mundo há 700 milhões de pequenos que padecem de doenças respiratórias por causa do fumo passivo.

Isso sem contar os bebês expostos ao cigarro ainda na barriga da mãe. Durante a gravidez, as tragadas levam ao amadurecimento precoce da placenta, que pode disparar um parto prematuro, comprometer o desenvolvimento do feto e causar problemas respiratórios ao nascer, além do baixo peso.

O risco dos fumantes passivos tem relação com a sensibilidade individual e a quantidade da exposição. Conforme a carga recebida, a pessoa pode desenvolver exatamente as mesmas doenças de quem fuma por opção.

Quais são os efeitos do fumo passivo?
A fumaça do seu cigarro (fumo passivo) pode colocar a saúde dos seus familiares em risco. Mesmo que você tente fumar fora de casa, traz nicotina de volta ao lar por meio das suas roupas, mãos e cabelos.

Bebês cujos pais fumam:
– Estão mais propensos a ter infecções de ouvido, pneumonia e bronquite nos primeiros anos de vida.
– Têm um risco maior de morrer precocemente
– Possuem maiores chances de desenvolver um câncer ou problemas do coração
– Estão mais propensos a serem fumantes também

Quando você pára de fumar, reduz todos esses riscos de ter problemas de saúde na sua família. Além disso, aumenta a probabilidade de seus filhos não fumarem ou pararem de fumar, caso já fumem.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)