Bares e restaurantes do Rio de Janeiro tem redução na concentração de monóxido de carbono

Desde que entrou em vigor a Lei Antifumo, há 15 meses, apenas 91 estabelecimentos foram autuados por descumprimento da legislação. Isso representa 0,77% de todos os 11,7 mil bares, restaurantes e similares vistoriados, segundo a Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil (Sesdec), que acaba de fechar o balanço do programa Rio Sem Fumo. Pesquisa realizada em novembro de 2010 pelo Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas de São Paulo e da Sesdec, comprovando o impacto da lei no que diz respeito à qualidade do ar respirado em bares, restaurantes e casas noturnas mostra que caiu pela metade a concentração de monóxido de carbono (CO)nestes lugares

Segundo a pesquisa, de novembro de 2009, quando foi implantada a lei 5.517/2009, até o dia 30 de janeiro de 2011, a concentração de CO nesses locais caiu em 1,4 ppm (partes por milhão). Em alguns estabelecimentos, a concentração foi considerada semelhante à registrada em ambientes ao ar livre – queda de 5 ppm para 1 ppm. Essa mudança equivale a sair de um túnel congestionado para um parque arborizado. Em áreas fechadas, a concentração de CO passou de 2,60 ppm, antes da lei, para 1,12 ppm, após a lei – equivalente à queda de 56,9%. Nos locais parcialmente fechados, a queda foi de 2,74 ppm para 1,3 ppm, correspondente a 52,6%. Em áreas abertas, o nível diminuiu de 2,61 ppm para 1,14 ppm (56,3%). A medição foi feita em 146 estabelecimentos.

A presença do monóxido de carbono no organismo humano reduz a oxigenação do sangue, das células e tecidos, o que, no decorrer do tempo, eleva o risco de doenças cardíacas vasculares. Estabelecimentos que não estiverem de acordo com a lei ficam sujeitos às penalidades impostas. As multas variam entre 1.548,63 e 15.486,27 do valor da Unidade Fiscal de Referência do Estado do Rio de Janeiro (Ufir) – o equivalente a R$ 3.306,63 e R$ 33.066,28, respectivamente. As multas são aplicadas de acordo com a extensão do prejuízo causado à saúde pública, o grau de relevância da infração e a capacidade econômica do infrator. Em caso de reincidência, a multa é aplicada em dobro.
Autor:
OBID Fonte: O GLOBO ONLINE