Lançada 3ª edição da campanha de proibição de bebida e cigarro

O Liberal
O Comen (Conselho Municipal de Entorpecentes) e a Promotoria da Infância e Juventude de Americana lançaram ontem a 3ª edição da Campanha de Proibição de Bebida Alcoólica e Cigarro a Crianças e Adolescentes.

A ação acontece desde 2005 e nesta etapa pretende atingir também as escolas públicas e particulares. “A ideia é que façamos uma campanha mais abrangente, que não fique restrita somente a estabelecimentos comerciais, como bares e clubes”, afirmou o promotor da Vara da Infância e Juventude, Rodrigo Augusto de Oliveira.

A iniciativa também conta com o apoio da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) e Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana). “A campanha nos dá argumentos para trabalhar com os menores. Às vezes somos confrontados por adolescentes, que dizem que na casa deles bebem e fumam e, por isso, acham que somos obrigados a vender álcool e cigarro”, comentou o diretor e coordenador de Bares e Restaurantes de Americana, Charles Leme. Ele acredita que senão todos, 90% dos 700 bares e restaurantes da cidade devem aderir 3ª edição da campanha.

De acordo com a presidente do CMDCA, Beatriz Betoli Bezerra, atualmente 55 adolescentes de Americana estão em clínicas de reabilitação por uso abusivo de drogas, não especificamente o álcool. “Esse número vem aumentando e a faixa etária vem diminuindo cada vez mais”, afirmou.

Durante o lançamento, diretores e representantes de clubes da cidade aderiram à iniciativa e assinaram um termo de compromisso com a campanha. Todos pegaram os cartazes e selos de adesão para anexarem nos estabelecimentos. Os proprietários de bares e restaurantes serão comunicados sobre a ação por meio de um convite. Se aderirem a campanha, deverão se dirigir à sede do Comen, assinar o termo de compromisso e pegar os cartazes e selos. A iniciativa acontece ininterruptamente desde 2005, mas o relançamento se faz necessário por conta do desgaste dos materiais publicitários e do assunto cair no esquecimento.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)