Lei anti-fumo entra em vigor em Garanhuns e comerciantes reclamam

Pernambuco 360 graus
Comerciantes e fumantes reclamam da falta de divulgação de lei, que foi sancionada em dezembro do ano passado; secretário de Comunicação afirma que será realizada campanha educativa e de conscientização sobre o fumo.

Na semana em que se comemora o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Pulmão é celebrado, nesta sexta-feira (08), entrou em vigor em Garanhuns, no Agreste pernambucano, uma lei que proíbe fumar em locais públicos, como bares e restaurantes. O problema é que muitos comerciantes ainda não receberam essa determinação da prefeitura.

O projeto foi sancionado em 30 de dezembro de 2010 e o conteúdo foi publicado no Diário Oficial do município esta semana. A lei deveria estar afixada em locais visíveis nos estabelecimentos, com telefones e endereços da Vigilância Sanitária e dos órgãos de defesa do consumidor.

Caso alguém se recuse a apagar o cigarro, a polícia deverá ser acionada. “A prefeitura não declarou nada para nenhuma loja, nem nada”, conta o gerente Wellington Gomes. A comerciante Rosa Silva também reclama: “Em outros restaurantes eles podem ter feito, mas aqui no meu, não tive contato com ninguém, eles me dizendo isso”.

Nas ruas, os fumantes não sabiam de nada. “Qual é a lei, que não tem, ninguém sabe? Quem avisou? Saiu em jornal, em rádio? Não. Agora a gente fica perdido, que nem cego em tiroteio”, desabafa o agricultor Paulo Alves Ferraz.

De acordo com o secretário de Comunicação de Garanhuns, Carlos Eugênio Oliveira (foto 2), a própria legislação prevê que seja feita uma campanha educativa para que as pessoas tenham conhecimento.

“A prefeitura já está com o planejamento de fazer a campanha, todavia, por conta de questões burocráticas e financeiras, a prefeitura ainda não fez. A estimativa é que no mês de maio a campanha seja desenvolvida e os órgãos fiscalizadores possam começar a viabilizar a aplicação da legislação”, afirma o secretário.

SAÚDE
O fumo é a principal causa do câncer que mais mata brasileiros: o de pulmão. A estimativa do Instituto Nacional de Câncer, é de que, este ano, mais de 27 mil casos sejam diagnosticados no país. Apesar do número assustador, o médico Rogério Brandão afirma que o índice tem diminuído.

“Se nós formos observar a curva de consumo de tabaco, graças a Deus, temos uma curso descendente. O tabaco é a principal causa de morte previnível do mundo e 90% dos cânceres de pulmão ocorrem em tabagistas”, diz.

O especialista afirma que, apesar de não ser o primeiro em incidência, o câncer de pulmão é o primeiro em mortalidade. “É uma doença grave, mesmo quando diagnosticada precocemente. Os pacientes, quanto têm o seu diagnóstico, já estão, geralmente, em fase avançada ou localmente avançada”, alerta.

De acordo com Rogério Brandão, o diagnóstico dessa doença é difícil, por ela não apresentar muitos sintomas: “É uma doença oligossintomática. Os sintomas são muito comuns em tabagistas, que têm problemas respiratórios, como é um pouco de tosse e congestão pulmonar”.

Ele lembra, ainda, que o tabaco é responsável por outras doenças além do câncer do pulmão. “Ele pode causar impotência sexual, hipertensão, acidente vascular cerebral, infarto no miocárdio, mortalidade perinatal. E é o principal fator de risco para câncer de fígado e câncer de bexiga”.

Segundo o médico, não existe nenhum exame que pode ser solicitado para encontrar a doença. “Nenhum exame tem especificidade e sensibilidade para ser utilizado. O diagnóstico geralmente é feito durante exames de rotina, feitos aleatoriamente. A única medida para reduzir o câncer de pulmão, realmente, é abdicar do fumo”, conclui.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)