Cuidado com ´misturinhas´ alcoólicas

Diário de São Paulo
Especialistas alertam para os riscos de excessos de bebida na Virada Cultural. As consequências vão desde uma simples dor de cabeça até o coma.

Com a proibição da venda de bebidas alcoólicas em barracas credenciadas pela Prefeitura durante a Virada Cultural, muita gente, com certeza, vai recorrer a outros meios para garantir a “alegria” da festa. E aí que mora o perigo, principalmente para quem tem o hábito de beber “misturinhas” caseiras de procedência desconhecida, vendidas a preço popular por ambulantes ou em bares.

É o caso, por exemplo, do “vinho químico” – uma mistura de vinho de cidra, açúcar, corantes e álcool de cozinha com teor de 42 graus – vendido em garrafas plásticas ou doses. Adocicada, saborosa e perfumada, a bebida chega a agradar até alguns dos mais finos paladares. Porém, especialistas alertam que, por trás dessa aparência inofensiva se esconde uma verdadeira bomba que pode provocar sérias lesões no organismo, além de outros problemas graves, como levar uma pessoa ao coma alcoólico.

INTOXICAÇÃO / A médica Marta Jezierski, diretora do Centro de Referência de Álcool, Tabaco e outras Drogas (Cratod), da Secretaria estadual da Saúde, afirma que só o fato de a bebida conter álcool com teor de 42 graus já a torna muito mais tóxica. O teor alcoólico do vinho varia de 13 a 14 graus e, no caso da mistura, o alto teor potencializa o efeito da bebida.

“A mistura pode causar sérias lesões no fígado e inflamar as paredes do intestino, fazendo com que ele deixe de absorver alimento e água. A pessoa acaba ficando desidratada”, diz.

O psiquiatra Carlos Salgado, presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Drogas, lembra que o uso excessivo de bebida traz consequências além dos problemas orgânicos: a embriaguez ou vulnerabilidade a riscos, como atropelamento ou sexo desprotegido.

“O álcool é uma loteria. Às vezes, uma pessoa mais tolerante pode beber muito e não acontecer nada. Mas em outras o efeito da bebida é imediato”, afirma Salgado. O psiquiatra ressalta ainda que pelo menos 12% da população têm propensão ao alcoolismo sem saber e só descobre quando bebe.

Segundo Marta, o metabolismo de um homem aguenta bem entre duas ou três cervejas por dia. Já na mulher a tolerância máxima é de uma a duas.

Veja como beber sem ter problemas futuros
A médica Jezierski afirma que, se a pessoa quiser beber, precisa tomar alguns cuidados para o organismo metabolizar o álcool. Segundo ela, é preciso intermediar bebida com alimentos doces ou salgados, mesmo gordurosos, e tomar muita água, suco ou refrigerante.

Bares com alvará podem vender bebida
As 105 barracas credenciadas vão vender apenas alimentos, água e refrigerantes. Mas bares do entorno com alvará para funcionar após a 1h poderão vender bebidas alcoólicas. Além disso, nada impede que as pessoas tragam de casa. Porém, a PM vai coibir embalagens como as de vidro, que podem ser usadas como arma.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)