Secretaria Municipal da Saúde planeja ampliar o programa na cidade

EPTV
O último levantamento do Ministério da Saúde mostrou que 16 de cada 100 brasileiros fumam. Em Ribeirão Preto, o programa de combate ao tabagismo oferece tratamento e medicamentos para ajudar o paciente a parar de fumar.

Nesta terça-feira, uma data dedicada à saúde. É o Dia Mundial Sem Tabaco. O fumo causa doenças de coração, de pulmão e câncer. Todos os anos 5 milhões de pessoas morrem no mundo por doenças relacionadas ao uso do tabaco, são 200 mil só no brasil.

Mesmo assim, muitas pessoas fumam. A secretária Marta de Oliveira já tentou parar, mas voltou. “Gosto de fumar. Se eu quiser parar eu consigo”. Já a auxiliar de enfermagem Ana Maria Oliveira não acha que pode. “Eu fumo há mais de 40 anos, se eu tentar, não vou parar”, comenta.

Na fumaça do tabaco estão 4 mil substâncias químicas. Muitas delas tóxicas e que podem causar câncer. Quem fuma inala a cada trago uma dose de arsênico, um veneno usado para matar insetos e butano, combustível que está nos isqueiros. Mas inala principalmente a nicotina, uma substância que chega ao cérebro em 10 segundo e causa dependência. É por causa dela que a maioria dos fumantes tem tanta dificuldade para abandonar o cigarro.

A boa notícia é que a medicina já avançou para facilitar a batalha contra o vício. Chicletes e adesivos com nicotina substituem o cigarro, amenizando a crise de abstinência. Outros remédios atuam diretamente no sistema nervoso central, onde está a mensagem da dependência química. “Antes as pessoas sofriam, mas com os medicamentos de hoje a ansiedade e dificuldade de concentração são menores e elas conseguem vencer a abstinência”, explica a médica Letícia Sales. Só não vale querer que o remédio faça todo o trabalho sozinho. Vencer esse vício depende também da força de vontade. “A medicação ajuda, mas o tratamento é químico, psicológico e comportamental”, completa Letícia.

Quando um fumante consegue abandonar o hábito, percebe melhora na qualidade de vida já nas primeiras horas: em 8 horas os níveis de oxigênio voltam ao normal, em dois dias o paladar e o olfato ficam mais apurados, após1 mês, a pele fica mais bonita e depois de 1 ano o risco de ataque cardíaco cai pela metade.

É na mesa de canto da diretora comercial Marizilda Andrade que fica o motivo por ela querer parar de fumar. A chupeta da neta está lá. “Ela me disse que parou de chupar chupeta e não foi fácil. Se eu quisesse parar de fumar conseguiria também. Ela me desafiou”.

Marizilda procurou um grupo de apoio e usou remédios por duas semanas. lá, ela aprendeu a vencer um dia por vez. “Hoje sinto que respiro melhor, tenho mais disposição pra atividades físicas, minha pele ficou melhor e estou mais cheirosa”, comemora.

Ribeirão Preto tem um programa de combate ao tabagismo. Atualmente são 60 pacientes. O atendimento está concentrado na UBDS Central, onde além de receber medicação (como adesivos e chicletes de nicotina), os pacientes passam por um mês de reuniões mensais e posteriormente pela fase de manutenção, quando as reuniões passam a ser mensais e até bimestrais.

Para participar do programa, o paciente deve passar por atendimento na UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima de sua casa e manifestar interesse em passar por tratamento contra o vício, para receber encaminhamento.

A Secretaria Municipal da Saúde planeja ampliar o programa, capacitando médicos de outras unidades de saúde para realizarem o tratamento. Informações no telefone 3605-5021.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)