Droga de efeito devastador alarma médicos nos EUA

Agência Estado
Com o singelo rótulo de “sais de banho”, uma droga devastadora, que entrou nos Estados Unidos há cerca de um ano, disseminou-se e agora alarma médicos por causa de seus efeitos psicóticos e paranoicos.

Trata-se de uma mistura de substâncias jamais testada em humanos, cuja fórmula foi banida em 28 dos 51 Estados americanos, mas ainda não tem veto do governo federal.

Em 2010, a Associação Americana de Centros de Controle de Envenenamento (AAPCC, na sigla em inglês) registrou 303 pessoas atendidas em hospitais por contaminação pela droga. Esse total subiu para 3.470 no primeiro semestre deste ano. “Se você misturar todos os piores efeitos da cocaína, do LSD, do PCP e do ecstasy terá um resultado comparável ao dos sais de banho”, descreveu Mark Ryan, PhD em Farmácia e diretor do Centro de Envenenamento de Louisiana.

Em geral, a droga é fabricada com base em duas substâncias: a metilenodioxipirovalerona (MDPV) e a mefedrona. A primeira é uma substituta química da catinona, composto estimulante do khat, uma planta do norte da África cuja venda é ilegal nos EUA, mas usada em vários países como base de defensivos agrícolas ou repelente de insetos.

Apesar das proibições nos 28 Estados, o acesso à droga é fácil no país. Pode ser encontrada na internet, em lojas de conveniência e até entre os verdadeiros sais de banho, com sugestivos nomes: Pomba Vermelha, Seda Azul, Zoom, Nuvem Nove, Neve Oceânica, Onda Lunar, Céu de Baunilha e Furacão Charlie.

Usuários têm sido levados aos prontos-socorros por comportamento violento, pressão sanguínea elevada, alucinações e crises paranoicas. Geralmente, são internados no setor psiquiátrico.

Brasil

Por aqui, a mefedrona é conhecida como miau-miau e, segundo Reinaldo Correa, delegado da divisão de Prevenção e Educação do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), é utilizada em clubes noturnos. “Só não podemos apreender, porque a droga não consta como substância proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, afirma.

Segundo Correa, o defensivo agrícola recomendado para o uso em jardinagem doméstica costuma ser consumido em cápsulas ou injetado na veia. O efeito é parecido com o do ecstasy. Dentre os efeitos colaterais estão palpitações, náusea, insônia e sangramento que pode levar à morte.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)