Cigarro aumenta chances de desordem na retina segundo pesquisadores

As chances de um fumante ficar cego com a idade são quatro vezes maiores do que as de pessoas que não fumam, de acordo com estudo de pesquisadores da Universidade de Manchester. Em artigo publicado no British Medical Journal, os cientistas afirmam que os cigarros aumentam as chances de desenvolvimento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

Atualmente, os maços de cigarro já são vendidos com diversas advertências sobre os possíveis efeitos nocivos do fumo e, agora, os pesquisadores da Universidade de Manchester querem que o risco de cegueira seja incluído na lista de doenças relacionadas ao consumo de cigarros. A DMRI é uma desordem da retina, que provoca a perda irreversível da visão central após os 60 anos de idade.

Resultado direto

A equipe liderada pelo cirurgião oftalmológico Simon Kelly afirma que 54 mil pessoas na Grã-Bretanha têm DMRI como resultado direto do fumo. Destes, 17,8 mil estão completamente cegos, segundo os pesquisadores.

O estudo pede a organização de uma campanha de saúde pública com o objetivo de alertar os fumantes para a ligação entre o cigarro e a cegueira, além dos riscos mais comuns do fumo, como o câncer.

“Evidências indicam que mais de um quarto de todos os casos de DMRI, com cegueira ou debilitação da visão, podem ser atribuídos à exposição ao fumo tanto atual como no passado”, disse Kelly.

“Pacientes, profissionais de saúde e o público vão se beneficiar com uma divulgação maior dessa associação causal”, acrescentou.

De acordo com o estudo, apesar de o consumo de cigarros no passado poder causar efeitos no futuro, parar de fumar ajuda a reduzir o risco de cegueira na velhice e pode estimular a resposta de longo prazo a tratamentos como a terapia a laser.
Autor: José Mulser
OBID Fonte: Portal da Oftalmologia