Combate ao crack será debatido hoje

Correio do Estado
Audiência acontece hoje em Três Lagoas e vai discutir enfrentamento a droga.

Será realizada hoje (15), na Câmara Municipal de Três Lagoas, a partir das 19h, audiência pública sobre “Enfrentamento e Combate ao Crack”, proposta pelo deputado estadual Eduardo Rocha, líder do PMDB na Assembleia Legislativa.

Esta será a primeira audiência sobre o tema a ser realizada no interior do Estado, com outras programadas para Dourados, Brasilândia, Costa Rica, Aquidauana, Aparecida do Taboado e Rio Brilhante. Na programação estão previstas palestras com o promotor de Justiça Sérgio Fernando Harfouche; o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM), membro da Comissão Especial de Políticas Públicas de Combate às Drogas da Câmara Federal; o deputado federal Fábio Trad (PMDB); entre outras autoridades.

Em maio deste ano, Rocha apresentou projeto de lei para instituir a Semana de Enfrentamento e Combate ao Crack. No mês de junho aconteceu em Campo Grande, na Assembleia Legislativa, a primeira audiência, com a participação de mais de 500 pessoas.

Conforme o projeto, fica instituída, a partir deste ano, a “Semana de Enfrentamento e Combate ao Crack no estado de Mato Grosso do Sul”, que deverá ser celebrada na terceira semana do mês de junho de cada ano, com a participação da sociedade, do Cead/MS (Conselho Estadual Antidrogas) e demais órgãos que compõem o Sistema Estadual Antidrogas. Debates, palestras nas escolas e em locais públicos, com objetivo de conscientizar a população em geral, acerca dos efeitos que essa droga exerce no organismo, deverão ser repercutidas na programação.

Rocha argumenta que o uso de drogas, principalmente por parte dos jovens, vem causando prejuízos avassaladores. “Fico preocupado com o uso indiscriminado e o aumento do número de usuários de crack, bem como com a violência gerada, devido ao uso indiscriminado dessa substância”, ressalta, destacando que é por isso que ele pretende provocar uma discussão em que o foco seja a prevenção, juntamente com ações de repressão e ressocialização.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)