Fumo faz mal ao planeta

O Dia
Produção e consumo dos cigarros gera prejuízos ambientais, como poluição e desmatamentos.

Sempre que olha para a embalagem de maços de cigarro no Brasil, o fumante tem lembretes bastante explícitos de que, a cada tragada, aumentam suas chances de contrair doenças sérias, como o câncer. O que não é tão simples de constatar, porém, é que antes e depois de o tabaco ameaçar o organismo do consumidor, está causando danos à saúde do planeta, segundo estudos de diferentes organizações.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por exemplo, a cada ano, cerca de 200 mil hectares de matas e florestas são destruídos no mundo para dar lugar a plantações de tabaco. Um hectare equivale ao um campo de futebol grande.

Além disso, de acordo com outros estudos internacionais, parte das matas retiradas para que se plante tabaco é destruída com queimadas, o que libera ainda mais gás carbônico na atmosfera. O desmatamento gerado na cadeia de produção do cigarro não para por aí: estufas usadas para a secagem das folhas são alimentadas à lenha em vários países pobres. Por isso, alguns especialistas costumam calcular que, numa média mundial, a cada 300 cigarros produzidos, uma árvore é derrubada.

Outro problema ambiental sério relacionado aos cigarros são os incêndios. Em alguns estados americanos, como a Califórnia, há leis proibindo fumar em parques públicos. De acordo com a ONG americana Fireproof Children, dedicada a prevenir acidentes com crianças e adolescentes, 25% dos incêndios domésticos têm origem nas ‘bitucas’ dos cigarros.

O pneumologista Oliver Nascimento, médico assistente da disciplina Pneumologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e vice-diretor do Centro de Reabilitação Pulmonar da instituição, observa que se a poluição atmosférica gerada pelas tragadas não tem tanta relevância, fatores como as queimadas, incêndios e até as ‘bitucas’ descartadas na natureza têm impacto negativo relevante no Meio Ambiente.

“Os malefícios para a saúde causados pelo cigarro são cada vez mais conhecidos, mas é importante, no momento em que existe uma luta pela consciência ambiental, que o fumante saiba que não está apenas fazendo mal para si mesmo”, afirma.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)