Projeto ´Crack, nem pensar` visa conscientizar presidiários

Página 20
Como forma de integrar a campanha institucional “Crack, nem pensar”, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a Vara de Execuções de Penas e Medidas Alternativas (Vepma) início em Rio Branco diversas ações educativas contra o uso de entorpecentes.

Entre as atividades de combate as drogas, foram promovidas algumas visitas nos presídios da capital, conduzidas pela juíza Maha Manasfi, titular da unidade judiciária e a equipe técnica da Vepma.

Na primeira visita na Unidade de Regime Fechado, realizado no dia 1º de agosto, que contou com a presença da juíza Maha Manasfi, a equipe ministrou palestras de conscientização contra o uso de drogas para 17 reeducandos.

Segundo Manasfi, o grande objetivo do projeto é conscientizar a população carcerária sobre as conseqüências nocivas da droga e seus efeitos devastadores, não apenas para o usuário, mas para toda a família que sofre tanto quanto o dependente químico.

No dia 2 de agosto, foi à vez da Unidade de Regime Semi-aberto nº 02 e a Unidade de Regime Fechado nº 03. Dessa vez, 14 reeducandos do regime especial, como policiais, agentes penitenciários e presos com nível superior, assistiram à palestra.

Já na terceira visita, na Unidade de Regime Semi-aberto nº 02, foram 21 os apenados que viram a apresentação do tema “Crack, nem pensar”. Também foram incluídos no projeto os reeducandos que se encontram nos regimes fechado e semi-aberto, que estão iniciando a Prestação de Serviço Comunitário (PSC).

Outras visitas já estão programadas para o mês de setembro, no Complexo Penitenciário Francisco D’Oliveira Conde, na Unidade de Regime Semi-aberto e na Escola de Ensino Fundamental Cláudio Augusto de Sales, localizada na Estrada da Transacreana, no km 44.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)