Ação quer combater alcoolismo

O Diário.com
Preocupadas com o aumento do consumo de bebidas alcoólicas entre menores de 18 anos, autoridades de Mogi aderem à campanha do Governo do Estado de São Paulo, que lançou em agosto, um novo programa para combater o uso de álcool na infância e adolescência.

O projeto conta com o apoio do Ministério Público de São Paulo e de representantes de bares, supermercados e restaurantes, além das secretariais estaduais de Saúde, Educação, Segurança Pública, Justiça e Comunicação, e de órgãos como o Procon-SP e a Vigilância Sanitária Estadual. Na Cidade, o programa “Supermercado de Responsa”, em parceria com o Grupo Pão de Açúcar, já está em vigor.

Além disso, também em Mogi Mogi, será agendado para os próximos dias um encontro entre representantes da Polícia Militar, Procon, Associação Comercial, Conselho Tutelar e Vigilância Sanitária, a fim de definir mais ações para tratamento, educação, conscientização e fiscalização do consumo indevido de álcool por adolescentes em estabelecimentos comerciais da Cidade.

Durante a reunião, também serão discutidas a necessidade de implantação de clínicas de tratamento, com mais leitos para dependentes, além de ações específicas nas escolas e intensificação das blitze da Polícia para flagrar e punir motoristas alcoolizados.

No mês passado, a Ambev, líder nacional do mercado cervejeiro, lançou no Estado de São Paulo uma plataforma de consumo responsável, em parceria com organizações não governamentais, donos de bares e o Grupo Pão de Açúcar. O objetivo é evitar a venda de bebidas a menores de idade.

Em Mogi, o “Supermercado de Responsa”, que identifica a bebida alcoólica no caixa do ponto de venda, levando o operador a solicitar ao consumidor a apresentação da cédula de identidade, já vigora. “Adorei esta ideia. Muitos ficam com medo de denunciar os menores na hora da compra e este novo método vai ajudar e muito neste controle”, comentou o comerciante João Leite, de 62 anos. Já Guilherme Aguiar, 18 anos, não concedeu entrevista sobre o assunto, mas admitiu já ter comprado bebida quando ainda era menor.

No Extra Hipermercado, no Mogilar, este aparelho funciona da seguinte forma: com o documento em mãos, o funcionário insere a data de nascimento do cliente no sistema, que só autoriza a venda se a maioridade for comprovada. Segundo a Assessoria de Imprensa do Grupo Pão de Açúcar, o programa começa a ser utilizado em 395 lojas do Pão de Açúcar, Extra e Assaí em São Paulo e no Paraná. Até o fim do ano, a expectativa é estendê-lo a todas as lojas do grupo no País.

Segundo a conselheira Mônica Marques dos Santos, do Conselho Tutelar de Mogi, o jovem é o principal alvo deste programa estadual e merece atenção especial. Ela defende que a fiscalização do consumo de bebida por menores deve começar a ser feita pela sociedade. “Nós ficamos sabendo dos casos apenas através dos relatos das mães, que reclamam que o filho chegou alcoolizado em casa. Mogi está atrasada em relação a este combate. Falta visão da sociedade em avisar a Polícia e denunciar. Nos hospitais, os casos são tratados como fatos isolados e, muitas vezes, não ficamos sabendo”, explicou a conselheira.

O Centro de Referência em Tratamento de Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) detectou que 80% dos pacientes diagnosticados alcoólatras passaram a consumir bebidas alcoólicas antes dos 18 anos, parte deles entre 11 e 12 anos.

Uma pesquisa do Instituto Ibope, feita a pedido do Governo do Estado, apontou que 18% dos adolescentes entre 12 e 17 anos bebem regularmente, e que quatro entre 10 menores compram livremente bebidas alcoólicas no comércio. Ainda segundo a pesquisa, o consumo de álcool acontece, em média, aos 13 anos.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)