Projeto de autoria do vereador Márcio Almeida (PSDB) quer coibir o uso de cigarros nos chamados fumódromos em Londrina

Um projeto de autoria do vereador Márcio Almeida (PSDB) quer coibir o uso de cigarros nos chamados fumódromos em Londrina. O objetivo é promover mudanças na lei municipal sancionada em 2009. Além dos fumódromos, a probição deve se estender para praças, parques infantis e ambientes de prárica esportiva e de lazer.

O vereador explicou neste sábado (3) que o projeto está fundamentado na luta antitabagista. Ele contou que a pessoa não fumante também está exposta aos danos provocados pela fumaça do cigarro. “Antes não havia tantos estudos e dados que comprovavam que pode haver comprometimento da saúde do fumante passivo”, comentou.

De acordo com ele, o projeto pede o acompanhamento à lei estadual, que já prevê a extinsão dos fumódromos. “Tivemos uma primeira lei aprovada em Londrina em 1983 pelo prefeito Wilson Moreira. Depois disso, em 1998, houve uma resrição para proteger os não fumantes e quase dez anos depois, em 2009, já houve a proibição em bares e restaurantes. No entanto, a lei estadual acaba com os fumódromos e é preciso trazer essa referência para cá”, afirmou.

Sobre a proibição em ambientes livres, Almeida destacou que a solicitação não se refere apenas ao prejuízo da fumaça do cigarro, mas também a forte influência que o tabaco tem sobre as pessoas, principalmente jovens e crianças. “Vários estudos agumentam que isso naõ só uma doença química, mas também de certa forma, transmissível e influenciadora”, argumentou.

No dia 25 de agosto, a materia foi aprovada em primeira discussão pela maioria dos vereadores em plenário. Já na última terça-feira (30), o projeto foi retirado de pauta porque o vereador Rodrigo Gouvêa (PTN) solicitou a liberação fo uso do cigarro em praças e parques.

Márcio Almeida explicou que o pedido foi encaminhado para análise da Comissão de Justiça da Câmara. Segundo ele, a intenção é que o projeto retorne à pauta de discussões nesta semana.
Fonte:INCA – Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde