Prefeituras do Grande ABC tratam de 5.800 alcoólatras

Diário do Grande ABC
No Grande ABC, estão em tratamento em programas contra o alcoolismo cerca de 5.800 pacientes, segundo as administrações.

Eles são atendidos por uma rede de profissionais de Saúde nos Centros e Núcleos de Atenção Psicossociais Álcool e Drogas. A Faculdade de Medicina do ABC, referência no tema, mantém convênios com Santo André, São Bernardo e São Caetano.

Nesses locais de tratamentos, existe dinâmica de trabalho em conjunto com outros entorpecentes. “Dificilmente alguém começa a usar maconha ou outras drogas sem passar pelo álcool. O alcoolismo é o centro dos problemas”, informa Marcelo Iampolsky, professor da FMABC.

Em Mauá, 51 pacientes têm entre 10 e 19 anos e 125 não passam dos 29. No total, são 3.000 pessoas que recebem o tratamento mensal no Caps AD Vila Guarani. Um dos programas envolve a família na recuperação.

Para coibir a venda de bebida alcoólica para adolescentes, a Prefeitura de São Caetano já lacrou uma danceteria em 2009 e enviou ofício a um grande supermercado para ter atenção no comércio. No Caps AD, cerca de 50 pacientes são atendidos diariamente; 43% deles são dependentes de álcool.

“É preciso criar programas de prevenção. Os jovens nunca beberam tanto como agora”, diz o coordenador do curso de Psiquiatria da FMABC, Arthur Guerra, um dos maiores especialistas em alcoolismo no País.

Em Diadema, os dependentes químicos recebem apoio por meio do Caps AD e 20 Unidades Básicas de Saúde. Para internação e desintoxicação, os pacientes são direcionados ao Hospital Estadual Serraria.

Entre os serviços há grupos terapêuticos, oficinas, consultas psicoterápicas, tratamentos psiquiátrico e farmacológico, além de medicação. Atualmente, 477 pacientes recebem esses cuidados.

Quem tem problema com alcoolismo em Ribeirão Pires – atualmente são 50 pacientes, sendo oito mulheres – precisa se dirigir ao Caps AD.

Santo André tem Naps 24 horas por dia. No total, são 700 pessoas por mês em tratamento. Em casos mais graves de abstinência é utilizada a área de psiquiatria do Hospital Mário Covas.

Em agosto, 1.108 usuários de álcool receberam cuidados no Caps no Rudge Ramos, em São Bernardo. A maioria dos atendidos (60%) tem mais de 35 anos, e 75% são homens.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)