Mais Alimentos impulsiona diversificação de cultura no RS

Aos 44 anos, o agricultor familiar Mário Bergmeier ainda depende da lavoura de fumo para “pagar as contas do final do ano”. Mas é a produção mensal de 2,5 mil litros de leite proporcionada por sete vacas leiteiras que “paga as contas todo mês e garante o pão na mesa”. O leite proporciona uma renda de cerca de R$ 2 mil/mês e impulsiona Bergmeier a investir na produção de alimentos. “Quero estruturar a produção de leite e ampliar a de hortigranjeiros pra deixar a lavoura de fumo”, explica o agricultor, que vive com a mulher e três filhos na propriedade de 16 hectares que adquiriu há três anos no distrito de Padre Gonzalez, no município de Três Passos (RS).

Bergmeier deu mais um passo neste sentido no sábado (8), quando encaminhou o primeiro pedido do Feirão Mais Alimentos, instalado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no 28º Encontro Estadual de Hortigranjeiros, que prossegue até esta quarta-feira (12) em Santa Rosa (RS). Seu objetivo foi a aquisição de uma carreta agrícola autopropelida tracionada, com capacidade para transportar até três toneladas. “Não quero mais depender do serviço dos outros para transportar a minha silagem de trigo e milho”, explica o agricultor, lembrando que recentemente necessitou desembolsar R$ 800,00 para estocar 30 toneladas de alimentos para as suas vacas, produzidas com em dois hectares com financiamento do Pronaf.

O investimento de R$ 35,5 mil será pago em dez anos, com juros de 2% ao ano e três anos de carência. “As condições são excelentes”, comemorara Bergmeier, que chegou a pensar em comprar um trator. Desistiu porque concluiu que a carreta agrícola é mais adequada para levar em frente os os projetos para estruturar a produção de alimentos na propriedade. “Posso utilizar a carreta para outras atividades na propriedade e transportar minha produção da horta para a cidade”, explica.

O acordo com uma cooperativa da região que garante o pagamento R$ 0,82 pelo litro de leite entregue motivou Bergmeier a qualificar a produção com a compra de uma ordenhadeira balde ao pé e de um tanque de resfriamento. Agora, planeja aumentar o plantel e gerar mais renda com a atividade que ocupa três hectares da propriedade.

Ao mesmo tempo, começa a estruturar a produção de hortigranjeiros. Em uma área de 0,5 hectare, produz repolho, beterraba e cenoura, que entrega em uma frutaria e um supermercado em Três Passos. Há três meses, Bergmeier diversificou a produção com o plantio de rabanete. “É possível tirar uma renda de R$ 400,00 e R$ 500,00 com a safra de rabanete”, estima, lembando que o ciclo da cultura, entre o plantio e a colheita, é, em média, de 35 dias.

Com investimentos na produção de alimentos, Bergmeier aposta que alcançará o objetivo de eliminar sua dependência da renda da lavoura de fumo (quatro hectares) para fechar as contas no final do ano, o que inclui o pagamento da terra que comprou há três anos. “O fumo judia muito”, afirma, lembrando que a atividade demanda mão de obra intensa. “O consumo de alimentos está aumentando muito. O negócio é produzir comida”, justifica Bergmeier.

“Se eu me estruturar, meus filhos vão ficar no campo, na atividade”, aposta o agricultor familiar que tentou a vida na cidade, mas desistiu. Retornou ao campo e, antes de chegar a Três Passos, arrendou terra em São Miguel do Oeste (SC). “Hoje estou na minha terra. Muita gente na cidade não ganha o que ganho só com o leite. Voltei para a roça porque gosto da agricultura.”

Feirão Mais Alimentos
O Feirão Mais Alimentos, montado pelo MDA no 28º Encontro Estadual de Hortigranjeiros, é uma exposição de tratores, máquinas e implementos agrícolas financiáveis pelo Programa. No espaço, os agricultores familiares contam com orientação de técnicos de assistência técnica e extensão rural da Emater-RS, do Banrisul e do Banco do Brasil e das cooperativas de crédito Cresol e Sicredi para que possam encaminhar negócios. Os agricultores familiares que visitarem o local também podem participar de sorteios de implementos agrícolas oferecidos pelas indústrias parceiras do Mais Alimentos.

O Feirão conta com o apoio da Prefeitura de Santa Rosa, prefeituras da região, do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (Simers), da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq).
(Fonte: ASCOM/MDA)
Fonte:INCA – Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde