França denuncia adição de açúcar ao tabaco

As indústrias tabagistas estão utilizando açúcar e aromas para suavizar o gosto de seus produtos e atrair o público mais jovem e mulheres, denuncia um estudo do Comitê Nacional contra o Tabagismo francês (CNTC) divulgado ontem pela imprensa francesa.

A análise, feita em parceira com a revista ´´60 Million Consumers´´, detalha que, para captar novos clientes e fidelizá-los, foram desenvolvidos produtos específicos com aromas de baunilha, morango e chocolate, o que disfarça o sabor amargo do tabaco e, de maneira paralela, reforça a dependência à nicotina.

Um decreto de 2009 proíbe na França adição de adoçante ao cigarro e limita a quantidade de aroma de baunilha. Conforme o estudo divulgado pelo jornal ´´Le Post´´, ´´dezenas de outros sabores são permitidos, e o decreto só se aplica a cigarros, e não aos demais produtos de tabaco´´. ´´O que está proibido num cigarro pode estar autorizado em outro´´, lamentam, em comunicado, as organizações, que encontraram uma quantidade de açúcar próxima de 10% no tabaco de enrolar e de adoçantes no papel de fumar.

O número é mais alarmante. Cerca de 7% dos estudantes franceses enrolam seus cigarros, e o consumo do tabaco de enrolar passou de 5.000 para 7.000 toneladas nos últimos 20 anos.

Os cigarros finos fizeram uma ofensiva de marketing às mulheres adicionando aromas de baunilha. As análises descobriram em alguns produtos quantidades dez vezes superiores às autorizadas nos cigarros na França. A revista e o CNCT exigem que a regulamentação se aplique não só de maneira restrita, mas afete todos os produtos do tabaco, e solicitam a proibição dos demais aromas agora autorizados – o que já está em prática no Canadá. Também pedem que as informações nas embalagens de cigarro sejam mais claras.
Autor:
OBID Fonte: O Tempo – MG