Como contornar os efeitos da ausência da droga

Extra Online
Os efeitos da abstinência no organismo variam de acordo com a droga de uso, explica Analice Gigliotti, chefe do setor de Dependência Química da Santa Casa da Misericórdia.

Todos são contornáveis, com acompanhamento médico e, se necessário, remédios. O importante, diz a médica, que será uma das professoras do curso “Existe vida sem drogas?”, a ser iniciado na terça-feira, no POP, é resistir a todo custo à vontade de voltar a usá-la — ainda que uma única vez, ou em pouca quantidade. “A prevenção da recaída é para sempre. Os neurônios receptores adormecem, mas não se esquecem da droga. Se a pessoa a usa novamente, eles acordam e passam a querer mais”, adverte.

Veja a seguir problemas frequentes relacionados ao consumo de quatro drogas muito comuns: álcool, nicotina, maconha e cocaína.

Álcool — Como é uma droga depressora do sistema central, sua ausência num organismo acostumado a ela pode causar agitação psicólogica e motora, aumento da pressão arterial, tremor nas mãos, sudorese e taquicardia. O álcool é a única droga cuja síndrome de abstinência pode matar, segundo Analice Gigliotti. “A pessoa pode entrar em estado convulsional, ter alucinações visuais e até entrar em coma”, diz. Benzodiazepínicos podem ajudar a aliviaros sintomas, mas a especialista adverte que eles devem ser usados por um período de no máximo três semanas, e sob orientação médica.

Nicotina — Quem está parando de fumar pode ter diminuição dos batimentos cardíacos e da pressão arterial, aumento do apetite, dificuldade de concentração e irritabilidade. Adesivos, gomas ou pastilhas de nicotina, aliadas a medicamentos como vareniclina, que age sobre os neurônios receptores, e bupropiona, que estimula a liberação de dopamina no cérebro, ajudam a ultrapassar a fase aguda da abstinência.

Maconha — Como o usuário costuma associá-la a uma sensação de tranquilidade, pode ficar bastante ansioso. Analice diz que não há remédios específicos para o período de abstinência, mas alguns medicamentos podem servir como paliativos, ajudando a aplacar a ansiedade.

Cocaína — Se a pessoa se sente estimulada quando sob o efeito desta droga, pode ficar deprimida ao parar de usá-la. Como no caso da maconha, não existem remédios específicos, mas pesquisas indicam que substâncias como topiramato e saclofeno são capazes de reduzir o mal-estar causado pela abstinência.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)