Consumo de crack é elevado em Ribeirão e mais 12 cidades

Jornal A Cidade
Levantamento nacional mostra que droga assombra municípios da região

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) que aponta a média de consumo de crack nas cidades do interior do Estado de São Paulo traz índices preocupantes para a região. Ribeirão e mais 12 cidades foram relacionadas como locais de alto consumo da droga.

A CNM avaliou dados de 3.950 cidades. O objetivo foi mapear a existência e a intensidade do problema, além de avaliar como o poder público municipal está organizado para atender os pacientes que sofrem com o vício do crack. A conclusão é alarmante: 98% dos municípios têm problemas com o crack.
Para realizar a pesquisa foram aplicados questionários diretamente a cada cidade para saber quais ações estavam sendo realizadas para coibir o consumo do crack e outras drogas e quais estruturas elas já contavam para oferecer atendimento a essas pessoas.

O estudo deixa claro que o crack não é mais um problema dos grandes centros urbanos e se alastrou para quase todos os municípios. O secretário da saúde de Ribeirão Preto, Stênio Miranda, diz que é preciso melhorar o trabalho epidemiológico para conhecer mais essa população usuária, seu gênero, idade e onde ela está distribuída.
“Algumas medidas imediatas já são adotadas pelo município para tratar esses pacientes como o atendimento no CapsAd e um convênio de 20 leitos com a clínica Rarev já firmado”, diz Miranda.

De acordo com ele, outros convênios devem ser firmados, mas a dificuldade consiste em encontrar clínicas com condições adequadas de oferecer o tratamento. “Não existe uma solução mágica, hoje estamos indo atrás do prejuízo oferecendo um suporte e assistência para pessoas que já estão dependentes”.
O secretário disse ainda que é necessário trabalhar com projetos de prevenção. Para ele, as empresas que lucram com a venda de tabaco e bebida alcoólica deveriam ajudar a custear os valores de tratamento.

Ajuda da PM

O chefe do Copom da Polícia Militar, Marco Aurélio Gritti, disse que já foram feitas ações preventivas de coibição do uso do crack na área Central de Ribeirão Preto. “Na segunda quinzena de dezembro, vamos receber uma nova turma de policiais formados e devemos somar mais 150 PMs nas ruas”, diz Gritti.

Consumo de crack na região

Consumo Alto

• Ribeirão Preto
• Jaboticabal
• Morro Agudo
• Orlândia
• Bebedouro
• Guariba
• Dumont
• Jardinópolis
• Sales Oliveira
• Altinópolis
• Santa Cruz da Esperança
• São Simão
• Luiz Antônio

Consumo Médio

• Batatais
• Cajuru
• Serra Azul
• Serrana
• Barrinha
• Pitangueiras
• Monte Alto

Consumo baixo

• Pontal
• Guatapará

São Joaquim da Barra e Pradópolis não responderam ao questionário.
Fonte: CNM
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)