SP quer mandar dependentes de drogas de volta para casa

Jornal da Cidade
A Prefeitura de São Paulo pretende criar um programa para mandar os dependentes de drogas do município de volta para suas cidades de origem.

A viagem seria custeada por meio de convênio com o Governo do Estado.

De acordo com a prefeitura, esse seria o último passo do tratamento rumo à recuperação do dependente, já que em sua cidade ele poderia contar com o apoio da família, muito importante para o tratamento. Porém, segundo a prefeitura, a decisão de voltar ou não ficaria a cargo do dependente.

Cristiane Aparecida de Godoy Gaya, psicóloga e coordenadora do CAPS-AD (Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas) de Rio Claro, concorda que o apoio da família contribui muito para o sucesso do tratamento do dependente. Tanto que o CAPS-AD oferece atendimento também para a família.

Ela explica que o CAPS-AD oferece três regimes de tratamento: intensivo, semi-intensivo e não intensivo. Quando chega, o paciente é submetido a uma avaliação para verificar em qual regime irá se enquadrar. A partir disso, é montado, junto com o paciente e a família, um projeto terapêutico para o dependente.

De acordo com Cristiane, a unidade tem hoje 2.700 prontuários abertos. Desses, 60 estão em tratamento intensivo, ou seja, passam o dia no CAPS-AD. Outros ficam somente um período e existem aqueles que retornam somente para as consultas de acompanhamento.

A coordenadora explica que o CAPS-AD trabalha com a previsão de 12 meses. Se o paciente conseguir se manter abstêmio nesse período terá condições de retomar a sua vida. Porém, ela lembra que é preciso cuidado porque qualquer descuido pode trazer de volta a dependência.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)