Médicos alertam para riscos do uso exagerado de bebidas energéticas

G1
Efeitos podem ser neurológicos ou cardiológicos. Produto misturado ao álcool pode levar à morte.

Produzida à base de cafeína, a bebida energética está cada vez mais popular, sendo usada para espantar o sono durante o dia ou dar mais ânimo em baladas. Mas os médicos alertam que o consumo exagerado pode trazer sérios prejuízos à saúde. Os efeitos podem ser neurológicos ou cardiológicos. O uso exagerado pode levar à morte.

“Existem relatos na literatura de que doses extremas podem levar a arritmias até potencialmente fatais”, diz o médico Maurício Pimentel, mestre em Cardiologia pela UFRGS. O profissional aponta as consequências do produto para o organismo: elevação da pressão arterial, sensação de taquicardia e aumento da frequência cardíaca.

A cafeína inibe a ação da adenosina, enzima que regula o sono. O consumo moderado para uma pessoa saudável é de 150 miligramas ao dia. Uma xícara grande de café preto oferece em torno de 80 miligramas, o equivalente a uma lata de energético com 250 miligramas.

A neurologista Andrea Almeida reconhece a propriedade do produto, mas ressalta que o uso contínuo provoca outras sensações. “Muita cafeína vai deixar a gente mais excitado, mais alerta, mais ativo. Com o passar do tempo, vêm os dados negativos. Ficamos mais irritados, agressivos”, diz.

Andrea também alerta para o uso de substâncias à base de metilfenidato, receitadas por médicos para tratamento de déficit de atenção, por jovens em festas à noite. O remédio pode matar caso seja misturado à bebida alcoólica. “Esse paciente pode entrar em coma, pode evoluir a óbito”, diz a médica.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)