Mortes por doenças ligadas ao álcool crescem

Band.com.br
Segundo o Ministério da Saúde, os óbitos associados à ingestão de bebidas alcoólicas saltaram de 11,7 mil no ano 2000, para 17,3 mil
Márcio Alves, do Metro

O brasileiro está bebendo cada vez mais. Prova disso é que o número de mortes por doenças relacionadas ao consumo de álcool não para de crescer. Segundo levantamento feito pelo Ministério da Saúde, os óbitos associados à ingestão de bebidas alcoólicas saltaram de 11,7 mil no ano 2000, para 17,3 mil em 2010, ou seja, um aumento de 47% em uma década. No ano passado, a bebida foi responsável por 47 mortes diárias no país.

Além das mortes, também cresce a quantidade de pessoas que sofrem com transtornos mentais em decorrência do consumo de álcool. Em 2010, foram 6,8 mil casos, um aumento de 43% em relação a 2000.

No Brasil, cerca de 19 milhões de pessoas são dependentes de álcool, segundo estimativa da Abead (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas). O SUS gasta por ano mais de R$ 1 bilhão em tratamentos e internações. A cada mês, 3,5 mil pessoas são afastadas de seus empregos por causa do consumo de álcool e drogas.

Para a psiquiatra Carla Bicca, da Abead, o aumento da exposição das pessoas ao álcool é a principal causa do crescimento do consumo. “O maior problema é o fácil acesso à bebida. Quando uma atitude parece normal, ninguém a questiona”, critica a especialista da Abead.

O estudo da associação mostra que a maior concentração de mortes 5,1 mil, no ano passado está em pessoas entre 40 e 49 anos de idade. Segundo Carla Bicca, as mortes nessa faixa etária estão relacionadas ao fato de os brasileiros começarem a beber cada vez mais cedo.

“Hoje, as pessoas começam a beber por volta dos 13 anos. E os efeitos do uso compulsivo aparecem em no máximo duas décadas depois”.
Fonte:UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas