Fumar durante a gravidez amplia o risco de lesão vascular em crianças

Segundo estudo publicado no periódico Pediatrics, pais que fumam podem provocar danos na sáude vascular de seus pequenos. Para chegar à conclusão, pesquisadores da University Medical Center Utrecht, na Holanda, começaram a coletar dados de crianças de quatro semanas, há cinco anos. Eles colheram informações sobre os hábitos de fumo dos pais dos bebês e, quando essas crianças completaram cinco anos, a sua saúde vascular foi estudada.

Os estudiosos analisaram a espessura da artéria carótida e o quão distensível a parede arterial era (fator importante para a manutenção da pressão arterial), usando ultrassonografia para a medição. As evidências são bem conclusivas: crianças cujas mães fumaram durante a gravidez tinham as artérias carótidas, em média, 15% mais rígidas e o espessamento de 19 microns, medida equivalente à espessura de uma fitinha da fita cassete, em comparação com aquelas crianças cujas mães não fumaram. Quando pai e mãe fumaram durante a gestação, o enrijecimento cresceu para 21% e o espessamento para 28 microns.

Efeito tão devastador não foi encontrado em mães que começaram a fumar depois da gravidez, o que mostra que o efeito mais devastador fica para os fetos expostos ao tabaco. No entanto, outros estudos já comprovaram que o fumo passivo também traz inúmeros malefícios à criança.
Autor:
OBID Fonte: Uol Ciência e Saúde