Secretaria de Educação barra construção de fumódromo em escola municipal de Porto Alegre

A Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre anunciou nesta sexta-feira (16) que vai barrar a construção de um fumódromo em uma escola de ensino fundamental da cidade. O pedido, segundo a própria secretaria, teria partido de professores da instituição.

A Escola Municipal Dolores Alcaraz Caldas fica no bairro Restinga, o mais populoso da capital, e atende 1.500 alunos divididos nos três turnos. Durante o dia, são dadas aulas a crianças e, à noite, a jovens e adultos.

Após ganhar a licitação para a reforma estrutural do prédio, orçada em R$ 2,5 milhões de reais, uma empresa de arquitetura visitou a instituição para montar o projeto, que compreende a substituição de prédios de madeira por alvenaria, uma nova caixa d´água, a renovação da rede elétrica e a construção de uma quadra poliesportiva.

Como de costume, os arquitetos ouviram sugestões e pedidos da direção. Porém, uma dessas demandas solicitava um espaço para fumantes. Conforme denúncia de um professor, os docentes da instituição fumam na cozinha do prédio nos intervalos das aulas.

Projeto recebeu aval de secretaria

Apesar de parecer estranho e infringir a legislação municipal antifumo, o projeto recebeu aval da Secretaria de Educação, algo caracterizado como um erro pela secretária Cleci Jurach.
“Quando procuramos tratar as escolas com gestão democrática, somos surpreendidos por isso. Fomos pegos de surpresa com o aparecimento desse fumódromo”, diz a secretária. “Este espaço que aparece como fumódromo será destinado a atividades de tempo integral para dos alunos.”

Secretária se diz “magoada”

E Cleci vai além. Prometeu para a próxima segunda-feira (19) a abertura de uma sindicância para identificar os docentes que fumam dentro da instituição. “A Dolores Alcaraz Caldas foi a minha escola de origem como professora. E é por isso que me magoa ainda mais essa atitude.”

Na tarde desta sexta-feira, a reportagem tentou contato com a direção da escola, mas não obteve retorno.
Fonte: Uol notícias
Fonte:INCA – Instituto Nacional de Câncer, Ministério da Saúde