Países gastarão US$ 7 tri com doenças ligadas ao fumo

Folha de São Paulo
Países de renda baixa e média terão gasto de US$ 7 trilhões entre 2010 e 2025 com doenças crônicas não-transmissíveis, cujo principal fator de risco prevenível é o tabaco, se tudo continuar como está, alerta a declaração da 15ª Conferência Mundial sobre Tabaco ou Saúde, finalizada neste sábado em Cingapura.

O texto destaca os esforços da indústria tabagista contra as políticas nacionais de restrição ao fumo e recomenda medidas a serem adotadas pelo conjunto dos países.

Até 2015, quando a próxima conferência será realizada, espera-se que pelo menos 50 países acabem com fumo em ambientes fechados e com fumódromos, e que pelo menos 20 adotem as controversas embalagens de cigarro sem logomarca trazendo apenas alertas de saúde e nome, de forma padronizada.

A embalagem padrão foi um dos temas mais debatidos. A Austrália, primeiro país a implementar o modelo, no final deste ano, enfrentará questionamentos da indústria em esfera internacional.

O documento ainda recomenda que os países incluam cláusulas de saúde pública nos tratados comerciais, de forma a evitar que esses acordos atrapalhem a adoção de medidas restritivas ao fumo.

Documento paralelo elaborado por organizações da sociedade civil da América Latina e Caribe pede que o Brasil avance na regulamentação da lei que proibiu os fumódromos, no final do ano passado.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)