Número de leitos para dependentes de álcool ou drogas é insuficiente

Diário de Suzano
A quantidade de leitos de internação de saúde mental – que ocasionalmente são usados em casos graves por dependentes de álcool ou drogas – é escassa no Alto Tietê.

A afirmação tem como base informações da coordenadora de Saúde Mental de Suzano, Creuza dos Santos, e da portaria nº 148 de janeiro de 2002 do Ministério de Saúde.

De acordo com Creuza, os três hospitais de referência na região teriam 40 leitos no total. Já com base ao que orienta o governo federal, seriam necessários, pelo menos, 42 leitos. A indicação da portaria é de que a cada 23 mil habitantes haja uma vaga de atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas, ou seja, seriam necessários pelo menos 63 leitos.
O Alto Tietê possuindo 1,44 milhão de habitantes – dados do Censo Demográfico 2010 – e com a atual quantidade de leitos só conseguiria atender 920 mil pessoas.

Apesar de negativo, a expectativa é de que o futuro Hospital Regional de Suzano venha cobrir a necessidade da região.
Isso porque, conforme já anunciado, em seu projeto há a previsão de que 12 leitos sejam destinados a Serviços Hospitalares de Referência para Álcool e outras Drogas (SHRad). No entanto, por enquanto não há previsão de quando a unidade começará a ser construída.

LEITOS

Conforme apontou Creuza, o Hospital Geral de Itaquaquecetuba (Santa Marcelina) tem o maior número de leitos: 17.

Em seguida aparecem o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, com 12 leitos, e o Hospital Regional Dr. Osíris Florindo Coelho, em Ferraz de Vasconcelos, com 11 leitos.
Fonte:ABEAD(Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas)